Bayer apresenta sua visão sobre o futuro da agricultura


Com a participação de públicos estratégicos da agricultura e especialistas do setor do mundo todo, a Bayer apresentou sua visão para o futuro da agricultura atual, reafirmando o compromisso da empresa com a sustentabilidade, a colaboração e o diálogo aberto, fomentando as inovações necessárias para alimentar uma população cada vez maior no mundo.

“Agricultores estão ávidos por inovações que os ajudem a vencer os desafios que enfrentam, assegurando que todos tenham acesso a alimentos seguros e nutritivos hoje e no futuro”, afirmou Liam Condon, membro do Conselho Administrativo da Bayer e presidente da divisão Crop Science, durante sua apresentação no Future of Farming Dialogue 2018.

Sendo o primeiro grande evento da empresa desde que concluiu a aquisição da Monsanto, em junho passado, o fórum anual reúne líderes de opinião e públicos estratégicos de toda a comunidade agrícola, para discutir maneiras de tornar a cadeia produtiva de alimentos mundial mais sustentável em benefício dos agricultores, consumidores e do planeta.

“Nosso mundo enfrenta desafios enormes, entre eles as mudanças climáticas, os recursos naturais limitados e uma população em crescimento”, disse Condon. “Acreditamos que a agricultura é parte fundamental da solução desses desafios e contamos com uma equipe global de grande talento, trabalhando em conjunto para responder, com responsabilidade, às demandas da sociedade por meio de inovações sustentáveis”.

Transformação digital

Condon observou que a transformação digital é uma das grandes forças da inovação, oferecendo aos agricultores formas totalmente novas de enxergarem seus campos e disponibilizando a eles dados e informações para que tomem decisões mais assertivas. “As ferramentas digitais transformaram muitos setores e estamos apenas na superfície da importância delas para a agricultura. Por meio da força de novas ferramentas digitais e análises de dados, podemos aumentar a produtividade e a sustentabilidade dos agricultores”.

Este mês, The Climate Corporation, subsidiária da Bayer, lançou comercialmente na Europa a Climate FieldView™, sua plataforma de agricultura digital* líder do setor. A novidade, que também está disponível nos Estados Unidos, no Canadá e no Brasil, permite que os agricultores coletem e vejam dados de campo com facilidade, analisem e avaliem o desempenho da cultura e gerenciem a variação de suas terras, por meio de planos personalizados de semeadura e fertilidade, para otimizar a produtividade da cultura.

Como parte do compromisso da empresa em ajudar a todos os agricultores a melhorarem a produtividade por meio de ferramentas digitais, a Climate está disponibilizando para os agricultores de pequeno porte na Índia informações agronômicas e orientações pertinentes, por meio do lançamento do piloto do FarmRise™Mobile Farm Care. A empresa tem a intenção de fazer o lançamento completo do FarmRise™ na Índia em 2019, com planos de expansão no futuro para a Ásia, a África e a América do Sul.

Inovação

A plataforma digital da Climate é apenas um exemplo do tipo de inovação que a Bayer busca proporcionar aos agricultores. “Atualmente, temos milhares de colaboradores dedicados à pesquisa e ao desenvolvimento no mundo todo, detentores de grande experiência no mercado em melhoramento, biologia, química e em ciência de dados,” disse Bob Reiter, novo diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da divisão Crop Science. “Sei que a criatividade deles, junto com seu espírito colaborativo e com sua paixão pela descoberta, ajudará a levar soluções sob medida para os agricultores, além de impulsionar o nosso negócio. As grandes inovações sempre acontecem na convergência de várias disciplinas científicas”.

O lançamento do vayego™ em 2019, um inseticida foliar aplicado no solo para uso nas culturas de arroz, milho e horticultura, é uma inovação na proteção de cultivos que oferece aos agricultores uma gama ampla e multifacetada de benefícios para controle de lagartas, bem como alguns besouros e pragas sugadoras.

Os próximos lançamentos trarão variedades de sementes desenvolvidas para afastar as pragas e diminuir trabalho com ferramentas de proteção de cultivo, tornando cada hectare de terra perfeitamente produtivo. Essas inovações incluem grãos de soja de segunda geração e protegidos contra insetos (uma próxima geração da Intacta RR2 PROTM) e um algodão protegido contra percevejo Lygus e tripes. A equipe de P&D de sementes de vegetais também introduzirá mais de 200 novas variedades em 20 culturas, melhorando as opções de produtos para os agricultores globais e os consumidores exigentes de todo o mundo.

Sustentabilidade

No entanto, a inovação sozinha não será suficiente para ajudar o mundo a vencer os desafios do futuro na agricultura. “Para contribuir significativamente para os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, precisamos garantir que o nosso foco na inovação não diga respeito somente à tecnologia, mas também à inovação social inclusiva e que promova o crescimento verdadeiramente sustentável e holístico para as comunidades no mundo todo”, disse Jesus Madrazo, novo diretor de Assuntos Agrícolas e Sustentabilidade da divisão Crop Science. “Assim, quando penso em sustentabilidade, vejo que se trata de como podemos ajudar os agricultores de pequeno porte na África, assim como os grandes produtores de soja nos EUA ou no Brasil, a protegerem a sanidade e a vitalidade de suas terras e também fazê-las prosperarem para que eles possam passá-las para a próxima geração”, salientou Madrazo.

A empresa destaca também o seu forte compromisso com a transparência. Ao permitir acesso a estudos pertinentes relativos à proteção de cultivos, a Bayer busca explicar o que está por trás do registro de um produto de proteção de cultivos e como a segurança desse produto é testada.

A confiança social no trabalho que realizamos nos permite continuar inovando e acreditamos muito que a transparência é a base na construção dessa confiança, explicou Madrazo.
Para mais informações sobre a visão da Bayer sobre a agricultura moderna, acesse:
www.bayer.com/en/advancing-together.aspx

*Disponível na App Store na França, Alemanha, Ucrânia, Romênia, Itália e Espanha, com mais países em breve.

Como a tecnologia pode – e vai – revolucionar o mundo

Por Leonardo Santos

A quarta revolução industrial é um dos termos da atualidade mais propagados em eventos de negócios. Nela, tecnologias como Inteligência Artificial (IA), Big Data e Analytics, estão em constante evolução e prometem reinventar diversas áreas e setores.

Essa revolução promete automatizar processos por meio da consolidação e análise de informações, gerar novos insights para a melhor compreensão de situações e momentos para garantir uma tomada de decisões mais rápida e assertiva, e promover o engajamento cognitivo que visa promover maior resolução de todo o tipo de tarefas e situações.

Com isso, essas ferramentas inovadoras ganham cada vez mais visibilidade e investimento. Conforme levantamento realizado pela Statista, empresa que reúne estatísticas de diversos mercados, a IA movimenta, atualmente, US$ 2,4 bi. Porém, para 2025, a expectativa é que esse valor supere os US$ 60 bi, fazendo desse um dos principais setores para a transformação dos negócios no mundo digital.

Se hoje as companhias inovadoras já criam soluções com o uso da computação cognitiva, como carros autônomos, softwares que auxiliam médicos na identificação de células cancerígenas, robôs que auxiliam na organização de empresas e até auxiliam nos cuidados de pacientes em estados terminais, a tendência é que, no futuro, a automatização de processos transforme as atividades rotineiras de diversas empresas, que historicamente encontram barreiras para a realização de tarefas que deveriam ser simples.

Ao contrário do que se imagina, não é mais futuro é uma realidade. Hoje, esse tipo de tecnologia já está tão presente no cotidiano das pessoas, que elas já não conseguem mais notar a inovação, mas sim seus benefícios. Ao realizar uma pesquisa na internet, por exemplo, caso ocorra algum erro ortográfico, o próprio buscador questiona se a intenção do usuário não era outra.

O próximo passo dessa jornada evolutiva é a popularização dessas tecnologias e a garantia de uma disponibilidade cada vez maior. Como já dizia o escritor américo-canadense William Ford Gibson, “como eu tenho dito muitas vezes, o futuro já chegou. Só não está uniformemente distribuído.”

Leonardo Santos é CEO da Semantix, empresa especializada em Big Data, Inteligência Artificial, Internet das Coisas e Análise de dados.

Tecnologia transforma negócios, mas pressiona trabalhadores. Veja como empresas e profissionais devem se comportar

Empresas e profissionais são afetados diretamente pela chamada transformação digital. Há o lado bom da agilidade e da produtividade, mas também é importante saber lidar com a pressão imposta por metas cada vez maiores e prazos cada vez mais curtos. Veja como lidar com essas situações na entrevista do professor e coach Júlio Luchmann ao jornalista Gilberto Campos.

Como os CIOs devem se preparar para a transformação digital – Por Fernando Velázquez

A rápida adoção da tecnologia digital está mudando o mundo como o conhecemos. As empresas que nasceram com um DNA digital estão dominando o mercado. Há dez anos, a lista de corporações mais valiosas era dominada por empresas petrolíferas e conglomerados multinacionais. Hoje, empresas como Google, Facebook e Amazon lideram as manchetes.

Chegou a hora das empresas se reorientarem para uma estratégia de transformação digital. A tecnologia alterou o papel das empresas e a maneira com a qual elas fazem negócios, ou seja, os CIOs devem ser capazes de ajudar suas empresas a compreenderem como as inovações que a transformação digital trará para os negócios podem criar oportunidades de crescimento. Para tanto, os CIOs primeiro precisam se reinventar.

A nova realidade digital

Reinventar a Tecnologia da Informação (TI) para suportar a transformação digital requer grandes mudanças, o que levará alguns anos para ser concluído. Felizmente, os CIOs podem instruir suas empresas a adotarem uma abordagem que forneça resultados rápidos, ao mesmo tempo em que redefinem a TI para o longo prazo. Esta abordagem requer uma nova, rápida e ágil TI para trabalhar ao lado da TI antiga. As transformações bem-sucedidas evitarão rupturas entre funções de TI de alta velocidade e antigas e serão conduzidas pelo CEO e pelos líderes empresariais que as tratarão como as prioridades principais e não apenas como “outro projeto de TI”.

Mudança adiante

A transformação digital mudará as exigências de TI de três principais maneiras: a tecnologia cada vez mais sofisticada precisará melhorar as operações e as interações das empresas com consumidores e clientes. Os exemplos incluem o sistema de recomendação da Netflix e o sistema proprietário de buscas e caching do Booking.com. Anteriormente, a eficiência era o indicador de desempenho mais importante da TI. Agora, tudo importa: tempo para o lançamento no mercado, confiabilidade, segurança e, especialmente, escalabilidade. A incapacidade de ampliar rapidamente dificulta o atendimento às novas demandas da empresa.

A gerência insistirá em um engajamento e supervisão de negócios muito maiores dos departamentos de TI. Afinal, o valor da digitalização da TI será muito maior do que antes: até 40% da receita, 20% dos custos e, às vezes, a própria sobrevivência do negócio.

Preparação para a mudança

Durante as mudanças tecnológicas anteriores, como de mainframes para minicomputadores e, em seguida, para clientes/servidores, as organizações especializadas em TI precisaram decidir entre a tecnologia e os negócios para fornecer e suportar soluções. Hoje, os ‘millennials’ são muito mais tecnológicos, já que cresceram entre computadores. A combinação de usuários experientes em tecnologia com ofertas de tudo como serviço (XaaS) agora permite que as empresas adquiram e forneçam soluções habilitadas para a tecnologia sem o envolvimento da equipe técnica de TI. Os gerentes de negócios também possuem maiores expectativas como resultado de suas próprias experiências com tecnologias pessoais. Eles buscam o mesmo tipo de experiência no trabalho, esperam conseguir ajuda imediata ao realizar um chat em tempo real com um especialista em suporte ao cliente e compartilham suas experiências – boas e más – na mídia social. Por isso, as empresas digitais estão prontas para colocar o cliente em primeiro lugar a qualquer hora e em qualquer lugar, com base nas expectativas do cliente.

O que está errado com a TI tradicional?

As operações de TI antigas geralmente não possuem a agilidade, a flexibilidade e a velocidade necessárias para oferecer soluções de alta qualidade a fim de suportar a transformação digital. Uma pesquisa recente da KPMG, que entrevistou mais de 600 líderes de TI, descobriu que problemas nos sistemas são o principal motivo para a falta de inovação em TI, com 66% dos entrevistados citando ambiente ou estrutura, processos e padrões como as principais causas. A transformação digital requer novas habilidades, mas a experiência do usuário, design, segurança, mobilidade, nuvem e outras habilidades estão em falta. Além disso, certos novos papéis, como corretores de soluções, gerentes de produtos e gerentes de serviços, exigem habilidades que podem não existir nas atuais organizações de TI.

A transformação digital demanda novas capacidades de TI, como uma infraestrutura escalável e baseada na nuvem. A TI tradicional é usada principalmente para manter sistemas de registro: aplicações estáveis, confiáveis e orientadas a transações que operam no núcleo do negócio. No novo mundo digital, o foco está em sistemas voltados para clientes e funcionários, nos quais a experiência do usuário é de grande importância e os novos lançamentos tendem a ser medidos em semanas, até dias. Esses sistemas são resultado de uma estreita colaboração entre TI e usuários e fruto de ciclos iterativos e rápidos de desenvolvimento.

Criando novos ambientes de TI

Os CIOs precisam criar ou atualizar funções de P&D para fornecerem um ambiente onde a TI, os usuários empresariais e os clientes externos possam explorar e refinar novas soluções digitais. De acordo com a pesquisa da KPMG, 34% das organizações possuem uma função de P&D dentro do departamento de TI ou TI e negócios.

Um dos desafios dos CIOs é que os projetos para resolver problemas de back-office antigos recebem prioridade sobre os avanços na estratégia digital. Isso dificulta a “disseminação” do valor comercial da TI. Como resultado, alguns CIOs escolhem um braço direito para gerenciar os problemas operacionais.

O futuro com a transformação digital

O efeito positivo da transformação digital para as operadoras deve ser a capacidade de produzir mais fluxos de receita. As empresas podem esperar um crescimento mais lucrativo e sustentado nos principais mercados verticais, como cidades inteligentes, energia e finanças. O sucesso das empresas orientadas ao consumidor exigirá um investimento contínuo em Inteligência Artificial (AI), interfaces homem-máquina, Big Data e outras tecnologias de ponta a fim de acompanhar o ritmo da demanda dos clientes por dispositivos mais inteligentes.

A visão da Huawei é criar um modelo de desenvolvimento conjunto no qual a nossa empresa, os nossos clientes e os nossos parceiros cresçam juntos durante a jornada de transformação digital.

Fernando Velázquez, CIO LATAM da Hauwei

Programa de Estágio Atos 2017 abre 20 vagas para Londrina e São Paulo

A Atos, líder mundial em transformação digital, abre o tradicional Programa de Estágio em ambas as sedes da empresa no Brasil (Londrina e São Paulo). Serão 20 vagas que darão a oportunidade para jovens universitários desenvolverem e aplicarem seus conhecimentos, ganhando experiência no mercado de TI.

Podem se candidatar estudantes dos cursos de Administração, Economia, Ciências Contábeis, Ciência da Computação, Tecnologia da Informação e Engenharias com formação prevista para até 2020. Entre os requisitos para a candidatura, estão inglês avançado e conhecimento intermediário em pacote MS Office.

“Atuamos em um dos setores que mais cresce no mundo, por isso procuramos jovens audaciosos, que nos tragam ideias inovadoras e que estejam dispostos a encarar os grandes desafios de uma empresa global de TI”, explica Francisco Fay, diretor de Recursos Humanos, Comunicação e Marketing da Atos América do Sul. “É uma grande oportunidade, já que muitos de nossos talentos deram seus primeiros passos na Atos por meio do Programa de Estágio”, complementa.

O contrato consiste em regime padrão de estágio, 30 horas de trabalho semanais e um pacote de benefícios, como vale transporte, vale refeição, plano de saúde e odontológico, e seguro de vida. Os estagiários selecionados terão contratação prevista de 2 anos.

As inscrições estão abertas dos dias 4 de setembro a 20 de outubro e podem ser realizadas somente por meio do site Vagas. Os interessados devem acessar o link: www.vagas.com.br/vagas/v1571468/estagiarios

Agenda do Programa:

Inscrições: Até 20 de outubro
Link: www.vagas.com.br/vagas/v1571468/estagiarios

Gartner alerta que organizações devem focar em novo modo de pensar a segurança para a Era Digital

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, afirma que a segurança é parte integral da equação de negócios digitais quando se trata de tecnologias como serviços em Nuvem e Big Data, dispositivos móveis e de TI, DevOps ágeis e Blockchain. Segundo o Gartner, experts em segurança precisam adaptar técnicas de segurança para a Era Digital.

“A verdade é que nós tínhamos uma visão de mundo binária que não existe mais. Branco ou preto, bom ou mau, a resposta é que não temos certeza em qualquer extremo. Pode ser qualquer um dos dois. Pode ser os dois”, diz Claudio Neiva, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner, durante o keynote de abertura da Conferência Gartner Segurança & Gestão de Risco 2017, em São Paulo. “Ambiguidade é a nova realidade. Adotem o cinza. A realidade é que os líderes de negócios estão se movendo a toda velocidade para frente, com ou sem você”, afirma Neiva.

Um novo modo de pensar sobre segurança e risco

Em 2014, o Gartner introduziu a Arquitetura de Segurança Adaptativa – Balanceando as capacidades de bloqueio e prevenção com uma equivalente e crítica capacidade de detecção e resposta quando o inevitável acontece.

Hoje, os especialistas em segurança devem focar em aplicar uma nova abordagem: CARTA – Continuous Adaptive Risk and Trust Assessment (Análise Contínua e Adaptável de Riscos e Confiança). A chave é aplicar a filosofia em todo o negócio, do DevOps até os parceiros externos.

“Nós precisamos nos concentrar em aplicar a CARTA não apenas a produtos já implementados, mas para novos serviços e recursos conforme eles são construídos”, diz Augusto Barros, Diretor de Pesquisas do Gartner.

Executar, construir e planejar

Os analistas do Gartner dizem que organizações devem aplicar a CARTA em todas as três fases da administração de riscos e segurança da informação: Executar – proteção contra ameaças e acessos durante execução; Construir – desenvolvimento e parceiros do ecossistema; e Planejar – governança de segurança adaptativa e avaliação de novos fornecedores.

Executar a CARTA

Quando se trata da CARTA, Data Analytics precisa ser uma parte padrão do arsenal. As companhias podem, apesar das grandes expectativas envolvendo Big Data, obter real valor com o aprendizado de máquina.

“A detecção de anomalias e o aprendizado de máquinas estão nos ajudando a achar os vilões que de outra forma passariam pelos nossos sistemas de prevenção baseado em regras”, comenta Felix Gaehtgens, Diretor de Pesquisas do Gartner. “É por isso que Analytics é tão relevante para operações de segurança hoje. O processo é bom para achar os vilões nos dados que outros sistemas não acharam.”
O tempo médio para detectar uma falha nas Américas é de 99 dias e o custo médio é de US$ 4 milhões. O Analytics vai acelerar a detecção e a automação vai agilizar o tempo de resposta, atuando como uma força multiplicadora para o time sem adicionar pessoas. O Analytics e a automação asseguram que as empresas foquem seus limitados recursos em eventos com maiores riscos de forma confiante.

Para a proteção de acesso no mundo digital, as companhias devem ser monitoradas constantemente. Fazer apenas uma autenticação é fundamentalmente falho quando a ameaça passa do portão. Por exemplo, se um usuário está baixando dados confidenciais para um dispositivo, a informação deve ser encriptada com administração de direitos digitais antes de ser baixada e então o usuário deve ser monitorado. Se ele começar a fazer muitos downloads, deve se restringir o acesso ou ativar um alerta para investigação.

Construir a CARTA

No que se refere ao DevOps, a segurança precisa começar cedo no desenvolvimento e identificar questões que representem um risco à organização antes de serem enviados para produção. Aplicações modernas não são desenvolvidas, mas montadas a partir de bibliotecas e componentes. É preciso procurar nas bibliotecas por vulnerabilidades conhecidas e eliminar a maior parte do risco. Para códigos proprietários, se deve balancear a necessidade de velocidade com a necessidade de segurança.

Parceiros de ecossistema adicionam novas capacidades de negócio e novas complexidades de segurança. “A administração de riscos não é mais domínio de uma única empresa e deve ser considerada em nível de ecossistema”, diz Gaehtgens. “O sucesso do meu produto ou serviço agora está diretamente ligado a outros. Meu risco é o risco deles. O risco deles é o meu risco. Estamos todos na mesma.”

Com o modo de pensar a CARTA, as organizações devem continuamente avaliar o risco do ecossistema e se adaptar conforme necessário. Os parceiros também devem analisar a sua companhia, infraestrutura, controle e reputação digital da marca. Para ecossistemas com um provedor dominante, a única forma de uma companhia entrar no ecossistema é depois de uma avaliação de riscos e segurança. Se a sua companhia for muito insegura, a organização pode ser removida do ecossistema. O monitoramento contínuo e a avaliação de riscos e reputação de grandes parceiros digitais é essencial.

Planejar a CARTA

A mudança para o modo de pensar CARTA mudará como os fornecedores são avaliados daqui pra frente. Eles devem oferecer cinco critérios: APIs abertos, suporte para práticas modernas de TI como Nuvem e containers, suporte a políticas adaptativas como ser capaz de mudar posturas em relação à segurança baseadas em contexto, e um foco em prevenção de ameaças e sistemas de detecção que possam proteger de uma grande gama de ameaças de forma precisa e eficiente, usando métodos analíticos diversos.

“A abordagem estratégica CARTA permite que digamos sim mais frequentemente. Com uma abordagem binária de permitir/negar não temos outra escolha além de ser conservadores e dizer não”, diz Neiva. “Com a CARTA, nós podemos dizer sim, e nós monitoraremos e avaliaremos para ter certeza, nos permitindo alcançar oportunidades que antes eram consideradas muito arriscadas.”

Sobre a Conferência Gartner Segurança & Gestão de Risco 2017

A Conferência Gartner Segurança & Gestão de Risco 2017 apresentará conteúdos com foco em segurança de TI, gestão de risco, compliance e gestão de continuidade de negócios, além de analisar o papel dos profissionais de segurança da informação (CISO – Chief Information Security Officers). Cada programa oferece uma agenda diferenciada, incluindo sessões com analistas, palestras, mesas-redondas, estudos de caso, workshops e muito mais. Informações adicionais estão disponíveis no site:
http://www.gartner.com/events/la/security.

Revolução digital no agronegócio – Por Ricardo Fachin

FH CONSULTING - CURITIBA 21-11-2012.FH CONSULTING EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMACAO.NA FOTO RICARDO FACHIN DIRETOR DA FH CONSULTING.FOTO MARCOS BORGES / AGENCIA DE NOTICIA GAZETA DO POVO

FH CONSULTING – CURITIBA 21-11-2012.FH CONSULTING EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMACAO.NA FOTO RICARDO FACHIN DIRETOR DA FH CONSULTING.FOTO MARCOS BORGES / AGENCIA DE NOTICIA GAZETA DO POVO

Ao simplificar os processos, as organizações conseguem agilidade para os negócios e passam a ser mais competitivas no mercado. As soluções tecnológicas e comércio eletrônico, conquistam as companhias de agronegócio que projetam um desempenho positivo para 2016.

O setor prevê um crescimento entre 1,5% e 2,2%. Segundo a CNA, neste ano, o Valor Bruto da Produção (VBP) da agropecuária chegará a R$ 529,9 bilhões. Vale lembrar que, em 2015, o agronegócio representou 23% do PIB nacional, 35% da força de trabalho do país e 40% das exportações brasileiras.

No caso do Paraná, estado que se destaca no setor agrícola com 220 cooperativas filiadas à Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), o faturamento em 2015 foi de R$ 60,4 bilhões. Esse valor ganha ainda mais destaque se comparado ao PIB brasileiro, que no ano passado teve uma retração de 3,8%.

Mas, mesmo com os avanços do segmento, ainda há muitos gargalos e deficiências a serem supridos. É aí que a tecnologia pode auxiliar as cooperativas, agroindústrias e quem trabalha no campo.

Hoje, ter o controle operacional do negócio passou a ser o desejo de toda organização. Desejo que se torna realidade por meio da tecnologia. Uma das soluções desenvolvidas pela marca alemã SAP, o S/4 HANA traz simplificação para os processos e possibilita a uso real de Big Data (grandes volumes de dados).

Se, hoje, uma simulação de planejamento de produção pode durar horas para ser realizada, com o SAP S/4 HANA são segundos, ou seja, o software permite o replanejamento de toda a empresa: logística, produção, vendas e finanças, a fim de atender as demandas estratégicas das cooperativas. Vale destacar que, se a logística não for bem gerenciada, há riscos de perder contratos e, até mesmo, a própria produção.

Outro desafio para as cooperativas e agroindústrias é a diversidade de negócios – tudo precisa estar integrado e a informação gerencial consolidada. Nas plataformas tradicionais não é possível fazer a integração em tempo real – muitas vezes, o profissional da área tem que olhar em vários sistemas diferentes para obter os dados desejados – e quando o faz são com informações dos dias anteriores, dessa maneira não consegue a mesma qualidade de informação oferecida pela SAP.

Ajustar a gestão contábil, fiscal e financeira das operações é mais uma questão a ser solucionada pelas cooperativas. O Simple Finance e a plataforma fiscal da SAP (TDF) ajudam nesta tarefa. Tornam o trabalho dos usuários e gestores mais intuitivo e produtivo, usam informações em tempo real para reduzir riscos e diminuir a exposição fiscal das empresas.

Outra “grande solução” para as cooperativas

Além do S/4HANA, as organizações contam com o software de Gestão de Contratos Agrícola (Agricultural Contract Management – ACM) da SAP. A solução gerencia as atividades relacionadas aos contratos e oportunidades do negócio agrícola, ao promover a gestão eficaz de contratos.

No caso das cooperativas, por exemplo, se percebe que as soluções atuais, são de difícil atualização e baixo nível de integração, expondo as empresas a riscos e dificultando o cálculo do resultado real de uma operação. Nesse caso, o ACM da SAP é uma boa opção, agrupa os contratos de compra com os de venda, gerencia o volume de compra, vendas, variações dos preços e o resultado.

Em resumo, por meio deste software– que atende organizações de todos os tamanhos – é possível ter controle das relações na cadeia de suprimento de matéria-prima, produção e vendas, a começar pela identificação de fornecedores de grãos; gerenciamento de volume de produção; preço e qualidade; controle de prazos de entrega e acompanhamento da liquidação final do contrato.

As soluções da SAP vieram para suprir as demandas por eficiência, qualidade de produção, redução de custos, desperdícios e competitividade.

Ricardo Fachin – Diretor Corporativo da FH

Acom Sistemas moderniza ERP EVEREST para garantir transformação digital vivida por clientes

As mudanças impostas pela agilidade de um mundo cada vez mais móvel e conectado exigem uma grande adaptação, principalmente, no comportamento e no uso de tecnologias nas empresas. Não há mais espaço para projetos de custos exorbitantes, longos, que tomam muito tempo e que levam a uma utilização extensiva de recursos humanos e investimentos das corporações.

Alinhada às novas tendências e conceitos, a ACOM Sistemas apresenta o EVEREST Gestão Empresarial 3.0. “Hoje, os usuários têm uma forma diferente de se relacionar com o ERP. Não podemos mais pensar em sistemas monolíticos em que um usuário, para incluir uma nota fiscal, precisa entrar em 4 ou 5 telas e preencher uma enormidade de informações. É preciso que o sistema tenha uma interface amigável, que permita ao cliente operar sem grandes investimentos em treinamento e vastos manuais. A interação deve ser semelhante à que ele tem com o smartphone”, afirma Carlos R. Drechmer, diretor de tecnologia da empresa. “Realizamos uma série de mudanças na arquitetura do EVEREST, incluindo a integração com vários aplicativos para melhorar a experiência dos usuários e facilitar a migração de nossa base de mais de 800 clientes”, completa Drechmer.

As áreas de desenvolvimento, operacional e comercial foram ampliadas, criou-se uma equipe de testes específica para a nova plataforma, um novo software de testes foi adquirido, tudo para garantir a entrega da nova versão com a máxima documentação e menor impacto sobre suporte. Pensando também em melhorar o uso das soluções, serão disponibilizados vários treinamentos no modelo de educação a distância (EAD).

A nova plataforma vai operar no conceito de nuvem, que inclui uma ferramenta de Business Intelligence para análise em tempo real dos negócios, com indicadores de gestão para cada segmento. Além disso, o sistema terá suporte para ser operado por apps via smartphones.

Cada usuário poderá personalizar a tela que utiliza e a disposição de aplicativos. O layout do sistema também vai acompanhar o segmento que atende, seja da indústria, do comércio ou varejo de restaurantes, por exemplo.

O diretor operacional Eduardo Ferreira salienta que todos os esforços são no sentido de fazer, da nova versão do EVEREST, uma ferramenta ágil e com a mesma robustez e confiança do sistema que sempre garantiu uma experiência extremamente confiável aos clientes. “O fato de termos um sistema com mais de 15 anos, utilizado por um mercado tão exigente, nos deu ótimos parâmetros para responder quais melhorias são necessárias para ter um produto atualizado. Além da experiência “de campo”, as tecnologias mundiais lançadas ao longo destes anos geraram, para nós, uma lista de melhorias a serem incorporadas nesta nova versão. O EVEREST 3.0 estará mais preparado para gerar informações através de novas funcionalidades técnicas, que permitem, numa mesma tela, consultas rápidas com agrupamentos, ordenações e filtros configuráveis pelo usuário”, explica Ferreira.

O novo EVEREST 3.0 também segue padrões de governança corporativa e compliance fiscal. Para isso, foi contratada uma consultoria especializada nas áreas fiscal e contábil, garantindo o cumprimento de obrigações legais. Há, também, um cuidado especial com regras de segurança da informação.

Toda essa transformação foi viabilizada pelo constante crescimento da ACOM com atenção em seus clientes. “Tivemos ainda, um aporte da Finep, via BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, que, após análise do projeto, viabilizou o financiamento por meio da linha de crédito Inovacred. Este investimento deu a garantia para que pudéssemos adquirir as licenças de software, novas máquinas e contratação de profissionais”, comemora Carlos R Drechmer.

Para Marcelo Gallo diretor comercial e de alianças, “todo este movimento e investimento é reflexo do foco e da dedicação nas verticais onde a empresa atua. Definimos nossa estratégia de atuação há três anos e, de lá para cá, crescemos mais de 200%, conquistando mais de 25 grupos empresariais nos mais diversos segmentos. O novo EVEREST 3.0 vai nos possibilitar implantar mais rápido e com um custo ainda mais acessível, permitindo um crescimento maior da empresa”, comenta Marcelo Gallo.

Era digital traz novo fôlego à economia

Por Allan Pires

Na semana passada tivemos mais cenas de choro em cadeia nacional e em horário nobre, principalmente discursos sobre injustiças cometidas contra importantes personagens políticos. Entretanto, não tivemos nenhuma consolação para quem depende da estabilidade do governo para poder trabalhar e converter esforço em renda.

A verdade é que o nosso atual cenário político se assemelha a uma novela mexicana que parece não ter fim e, infelizmente, está atraindo milhões de espectadores internacionais com a espetacularização política. E o que já é difícil para nós brasileiros compreendermos, fica ainda mais difícil para quem não está acostumado com os nossos mandos e desmandos e “voos de galinha”.

A cada contato que tenho com estrangeiros a mesma pergunta surge: “Eu não entendo o que se passa no Brasil, você poderia explicar?”. Eu já estava acostumado a esta pergunta quando tinha que apresentar nosso sistema tributário para um estrangeiro, o que não é tarefa nada fácil de fazer. E sempre ouvia a expressão “Mas isto não faz sentido”. Até já me acostumei com o termo.

Quem vive fora do Brasil acredita que o nosso país oferece oportunidades de crescimento e investimentos. Falo dos empreendedores, investidores, empresas com operações globais, parceiros estratégicos, fornecedores, etc. Pelo potencial de mercado interno, força de trabalho e recursos naturais, nós estaremos sempre no mapa das grandes operações globais.

Agora, as dúvidas estão em relação ao que iremos fazer para aumentar a competitividade, elemento importante para quem quer retomar o crescimento. Os olhos ainda estão voltados para o nosso mercado e o setor de Tecnologia da Informação continua crescendo a passos largos, impulsionado pela economia digital.

Um exemplo claro desse movimento está ligado ao futuro dos negócios digitais no Brasil, que gera em torno de 1,3 milhões de empregos, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação. Como os negócios estão cada vez mais se transformando em digitais, dois dos elementos-chave que propiciam a viabilidade, o aumento da produtividade e, logo, a competitividade das empresas brasileiras se referem à disponibilidade e custo no setor de telecomunicações, principalmente Internet, Data Center e Nuvem.

Os serviços de Data Center e Nuvem são considerados, junto com a ferramenta Analytics, as três prioridades de investimentos em tecnologia mundiais, de acordo com o Instituto Gartner. Pesquisa recente sugere uma forte reorientação das prioridades em relação aos negócios digitais e à necessidade de recuperar o atraso. Além disso, o relatório traz uma informação surpreendente: os CEOs estão mais direcionados aos negócios digitais que os próprios CIOs de empresas.

Com o mercado tomando um rumo digital, temos desafios para estimular novos investimentos locais e internacionais ou, ainda, a utilização destes serviços por provedores externos principalmente porque não definimos como ponto de partida que o acesso à internet deveria ser cada vez mais universal – há propostas para a limitação da capacidade ou velocidade da Internet – ou um modelo tributário claro que acelere o uso de Data Centers, gerando eficiência para as organizações. Vale ressaltar que há planos de novas ofertas e de novas bandas de frequência de transmissão em Países de primeiro mundo, forçando a redução do custo de internet fortemente.

Acredito que a digitalização da economia é a chave para recuperarmos o fôlego no Brasil. Entretanto, a capa da revista The Economist com o Cristo Redentor ilustra muito bem o looping que estamos vivendo. Não só pela economia, mas também pela instabilidade gerada pelas (não) decisões que deveriam ser tomadas e lideradas pelo governo. Vários empreendimentos digitais estão postergando seus investimentos em nosso país, adiando, assim, oportunidades para toda a cadeia produtiva, o que levaria também novas oportunidades de emprego para uma massa significativa de pessoas.

Pessoas estas que estão chorando sozinhas em seus lares porque seus choros e lamentos não são ouvidos por quem deveria pensar no futuro do nosso país. E não há muito nas comunicações oficiais dos Governos que mostrem que temos um caminho claro. Planos de recuperação econômica, que são comuns em países em recessão, parecem uma coisa muito distante por aqui.

Allan Pires é CEO da multinacional dinamarquesa Targit para a América Latina e Texas

CIO Global Summit 2016: a Transformação Digital e o novo papel do CIO

Curitiba sediou o primeiro evento de uma série de seis do CIO Global Summit 2016, realizado pela revista CIO. Veja como foi o encontro patrocinado pelas empresas curitibanas Prime Control e Qualityware.