Black Friday é oportunidade para começar a vender on-line

Após um período de hiato econômico por conta da pandemia do novo coronavírus, o comércio está se reestabelecendo aos poucos, assim como a segurança dos brasileiros para voltarem a comprar. É fato que o e-commerce teve um grande crescimento – no caso, de 47% – no primeiro semestre, conforme aponta a pesquisa elaborada pela Ebit|Nielsen, em parceria com a Elo. Porém, diante das incertezas, muitos preferiram segurar os gastos. Em outro levantamento realizado pela Ebit|Nielsen consta que 7 em cada 10 internautas brasileiros deixaram de comprar algo neste ano por conta da pandemia, mas que grande parte deles aproveitaria a Black Friday para se presentear.

Por falar em Black Friday, a data já está se aproximando e pode ser uma das últimas oportunidades para os empreendedores (sobretudo do comércio) venderem massivamente em 2020. Inclusive, uma forma de comercializar pela internet e aproveitar esse embalo é utilizar os marketplaces, que funcionam, basicamente, como shopping centers on-line.

Os benefícios de escolher esta modalidade vão muito além da visibilidade que ela proporciona para o negócio. Esta é, também, uma opção mais prática e menos custosa, sobretudo para os Microempreendedores Individuais (MEIs), já que permite a venda pela internet sem a necessidade de manter um e-commerce próprio. Adicionalmente, para aqueles que já têm empresa aberta, o processo de cadastro na(s) plataforma(s) costuma ser muito rápido, levando somente alguns dias. Para isso, o empreendedor precisa ter em mãos (a exigência de documentos pode variar de site para site):

• CNPJ;
• Comprovante de Inscrição Estadual;
• Consulta Pública ao Cadastro do Estado (SINTEGRA – ICMS);
• Certidão Negativa de Débitos Tributários – Tributos Federais e Dívida Ativa da União;
• Estatuto Social atualizado (constituição e última alteração);
• Certidão simplificada do SINREM;
• Certificado Digital de Pessoa Jurídica (e-CNPJ);
• Emissor de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).

MEIs e NF-e

É comum que as pessoas se confundam quanto à obrigatoriedade de emissão de NF-e por parte do MEI, já que, em alguns casos, ela não é mandatória. Porém, para as vendas on-line, emitir Nota Fiscal é, de fato, um requisito. Mas isso não quer dizer que isso torne o processo mais complicado ou custoso, pois é possível encontrar produtos completos para a emissão de NF-e por menos de R$ 30 por mês.

Segundo Bruno Portnoi, diretor de Marketing e Vendas da Certisign, empresa especialista em soluções digitais, com a Black Friday se aproximando, é importante que os comerciantes agilizem esta etapa de escolha das plataformas na qual irá vender, bem como de cadastro e adaptação, para que consigam estar com tudo pronto para o evento. “Pode até parecer complexa, mas a parte de aquisição do Certificado Digital com emissor de Nota Fiscal é a mais simples e rápida. Em alguns casos, é possível comprar o Certificado on-line pela manhã, retirá-lo no mesmo dia em um local de atendimento ou por videoconferência e, em seguida, já começar a utilizar o emissor”, acrescenta o executivo.

Portnoi destaca que o Certificado Digital e-CNPJ é indispensável para a utilização do emissor, uma vez que é ele que garante a autenticidade da empresa e, consequentemente, das informações contidas na Nota Fiscal. “No contexto do marketplace o Certificado Digital de Pessoa Jurídica é utilizado somente para a emissão de notas, mas isso não quer dizer que ele não tenha outras funcionalidades para o negócio. Por meio dele, o MEI consegue utilizar serviços da Receita Federal, cumprir com as entregas fiscais e, ainda, assinar contratos com fornecedores ou compradores com total validade jurídica e de forma totalmente on-line”, finaliza o executivo.

Compartilhar
Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.