Logística eficiente permite novas modalidades de serviços para descarga de fertilizante no Paraná

Além da eficiência operacional do Porto de Paranaguá, que disponibilizou mais três berços para descarga de fertilizantes, o alinhamento de outros setores envolvidos na logística também contribuem para o ganho de produtividade.
“A eficiência do Porto, somado a fatores como clima, infraestrutura das empresas de armazenagem e logística de transporte para retirada do produto do cais têm contribuído e muito para estes resultados. E no final, o beneficiado, sem dúvidas, é o agricultor”, afirma o presidente do Sindicato da Indústria de Adubos e Corretivos Agrícolas no Estado do Paraná (Sindiadubos), Aluísio Schwartz Teixeira.

Segundo ele, essa melhoria na produtividade da descarga dos fertilizantes reflete na redução dos custos para toda a cadeia. “Importante ressaltar que também houve um aumento de quase 5% no volume importado. Foram 6,8 milhões de toneladas de adubos, entre janeiro a agosto deste ano, contra 6,5 milhões de toneladas em 2019”, reforça Aluísio.

NOVIDADE NA CADEIA LOGÍSTICA
A importação de fertilizantes crescente no Porto de Paranaguá também está refletindo em novas modalidades de serviços ofertados para o setor.
Uma das novidades que também garantem redução de tempo e de custos é a plataforma FastFrete, que possibilita a realização de leilões e a integração entre embarcadores e transportadoras – principais atores no cenário da logística brasileira.

O sistema eletrônico de gestão e cotação de frete oferece uma economia de até 30% nos custos com o transporte de cargas para em todo o Brasil.
Ao todo são mais de 200 transportadoras cadastradas na plataforma e 30 mil caminhões.

Ao acessar www.fastfrete.com.br ou baixar o aplicativo FastFrete os usuários realizam o cadastro da carga a ser transportada e inserem os dados que serão utilizados pela plataforma para operacionalizar o leilão. As transportadoras recebem um aviso de cadastro do leilão por email e mensagem de texto, gerando um maior número de propostas feitas. Ao término do leilão, levará a carga o transportador com a proposta de menor valor de frete.

Um dos mentores da plataforma, o empresário do ramo de logística portuária, Valdécio Bombonatto, explica que o sistema, além de transparência e agilidade, possibilita o aproveitamento do frete de retorno.
“Trazemos uma solução que também contribui para reduzir tempo no processo de importação até a chegada do produto ao campo. Outro benefício é a possibilidade de aproveitar o frete de retorno, evitando que os caminhões transitem vazios e rentabilizando a operação”, completa Valdecio, que tem mais de 30 anos de atuação no setor.

O diretor operacional da Fastfrete, Paulo Henrique Tonello, ressalta que além da praticidade, economia e agilidade, a FastFrete apresenta a opção de acompanhamento de todos os lances em tempo real, informações sobre a quantidade de cargas aprovadas fretadas por transportadoras e o custo de frete.

DADOS – Das 13,2 milhões de toneladas de cargas que desembarcaram nos terminais de Paranaguá e Antonina, os adubos respondem por mais de 48,8%. Os portos paranaenses seguem sendo os principais portos importadores de fertilizantes do país, recebendo cerca de 32% do que chega ao Brasil. Rússia, China, Canadá, Marrocos e Belarus são as cinco principais origens dos fertilizantes que chegam pelos Portos do Paraná.
De acordo com a Portos do Paraná, entre os meses de janeiro a agosto, desde o anúncio da chegada do navio em Paranaguá até a atracação, as embarcações aguardaram, em média, cinco dias. Em 2019, essa espera era de cerca de nove dias.

A redução no tempo de espera reflete ainda na redução dos valores pagos com demurrage – custos de sobrestadia para os importadores de fertilizantes por descumprimento dos prazos de contrato. Segundo o Sindiadubos, este ano o valor pago é 46% menor que o registrado em 2019. De janeiro a agosto deste ano foram US$ 12 milhões, contra US$ 21,4 milhões em 2019.

Compartilhar
Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.