Inscrições prorrogadas para escolas públicas do Paraná concorrerem a R$30 mil em apoio a projetos

O Instituto MRV, em parceria com a Fundação Pitágoras, prorrogou as inscrições do projeto Educar para Transformar – 6ª Chamada Pública. Com a temática “Uma escola aberta para novas ideias é uma escola aberta para o futuro”, esta edição do programa tem como foco as escolas municipais e estaduais da rede pública de ensino fundamental e/ou médio. As inscrições foram prorrogadas até o dia 30 de abril e podem ser feitas através do site https://www.institutomrv.com.br/pt/.

As instituições interessadas em participar do programa devem propor ações que visam atrair e reter os alunos, ampliando suas visões sobre os benefícios da educação e as diversas possiblidades de futuro que se pode alcançar. Os melhores projetos receberão apoio de R$30 mil.

Para participar as escolas devem estar localizadas em cidades onde o Instituto e a Fundação têm atuação. Neste grupo estão inclusos municípios dos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. A lista completa de cidades pode ser acessada no edital do Educar para Transformar.

A avaliação dos projetos será realizada por uma comissão, levando em conta critérios como adequação com o foco do programa, potencial de redução da evasão escolar e engajamento do corpo escolar. As iniciativas selecionadas serão disponibilizadas para votação popular a partir do dia 29 de maio.

Os dez projetos mais votados pelo público serão apresentados no dia 18 de junho e cada um deles receberá um aporte de R$ 30 mil para ser revertido em materiais ou serviços. Ainda em junho os projetos vencedores serão acompanhados e receberão o apoio do Instituto MRV e da Fundação Pitágoras para a troca de conhecimento e a verificação do desenvolvimento do projeto.

“Diferente das outras edições, em que acompanhamos projetos voltados para a educação de jovens e crianças desenvolvidos por organizações não governamentais e pessoas físicas, na 6ª edição pretendemos apoiar dez projetos de escolas municipais e estaduais. Nossa parceria inédita com a Fundação Pitágoras busca por soluções criativas e inovadoras em educação, favorecendo o empoderamento das relações humanas, contribuindo para o convívio social e o desenvolvimento do senso de comunidade, para a formação de uma sociedade igualitária e comprometida”, explica Raphael Lafetá, diretor do Instituto MRV.

Fusões e aquisições no Paraná crescem no último ano, segundo KPMG

O estado do Paraná obteve uma significativa crescente em fusões e aquisições em 2018, obtendo um total de 52 operações, 27 a mais em relação ao mesmo período do ano anterior. O resultado consta na pesquisa realizada pela KPMG.

As transações domésticas em 2017 foram 15, já em 2018 aconteceram 33 operações, representando um aumento de mais de 100%. Outro destaque foram transações de compra de estrangeiros no Brasil (CB1) que tiveram um aumento de 85,7%, passando de sete (2017) para 13 (2018).

O aumento no Paraná refletiu nos números da região Sul, aquecendo a economia de toda a região. Outro fator relevante foram as operações no setor de TI que subiram 76%, passando de 17 (2017) para 30 (2018).

Já as fusões e aquisições na região Sul tiveram um aumento considerável em 2018, em relação ao ano anterior. Com um crescimento de 34%, as operações em 2017 foram de 96, contra 129, em 2018, com destaque para o aumento nas operações domésticas que passaram de 61 (2017) para 82 (2018).

F&A no Paraná

Ano

Doméstica

CB1

CB2

CB3

CB4

CB5

Total

2018

33

13

4

2

52

2017

15

7

1

2

25

F&A na Região Sul

Ano

Doméstica

CB1

CB2

CB3

CB4

CB5

Total

2018

82

36

8

3

129

2017

61

29

2

4

96

Legendas

Transações Domésticas: entre empresas de capital brasileiro

CB1: Empresa de capital majoritário estrangeiro adquirindo, de brasileiros, capital de empresa estabelecida no Brasil.

CB2: Empresa de capital majoritário brasileiro adquirindo, de estrangeiros, capital de empresa estabelecida no exterior.

CB3: Empresa de capital majoritário brasileiro adquirindo, de estrangeiros, capital de empresa estabelecida no Brasil.

CB4: Empresa de capital majoritário estrangeiro adquirindo, de estrangeiros, capital de empresa estabelecida no Brasil.

CB5: Empresa de capital majoritário estrangeiro adquirindo, de brasileiros, capital de empresa estabelecida no exterior.

Tecpar e Senai ampliam parceria na área de tecnologia e inovação

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e o Serviço de Aprendizagem Nacional (Senai), firmaram nesta quinta-feira (21) um memorando de entendimentos para desenvolvimento de projetos em parceria. Segundo o diretor-presidente do Tecpar, Fabio Cammarota, o propósito é a conjunção de esforços com a finalidade de viabilizar oportunidades de cooperação no desenvolvimento tecnológico em empreendimentos inovadores.

Entre os itens em que as duas instituições trabalharão juntas estão a Coincubação, o Energy Camp e Smart Farm, a Certificação de geração distribuída (Selo GD) e a Certificação de cadeia de biocombustíveis, além de outros setores que possam ser considerados de interesse técnico científico mútuo dos parceiros.

Cammarota, explica que essas áreas são estratégicas para o instituto, em alinhamento às diretrizes do Governo do Estado. “O Tecpar recebeu a missão do Governo do Estado de liderar o processo de inovação e do desenvolvimento tecnológico no Paraná”, diz ele. “Essa parceria com o Senai é importante para mostrar que o instituto está de portas abertas para estreitar o relacionamento com a iniciativa pública e privada”, destaca.

Para o diretor regional do Senai, José Antônio Fares, a parceria entre as instituições tem todas as condições para ser bem-sucedida, inclusive com possibilidade de um incremento na área do agronegócio, na qual o Senai tem interesse.

“O Tecpar é uma instituição com um histórico de realizações, de impulsionar a inovação, o desenvolvimento e a pesquisa no Estado. Tem infraestrutura, incubadora, um processo de certificação muito forte e um nome reconhecido no mercado. Por outro lado, o Senai é uma instituição forte na formação profissional e na inovação tecnológica. Então, estas duas entidades juntas têm muitas oportunidades”, afirma Fares.

INCUBADORA – O Tecpar conta com a Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec), assim como o Senai. A ideia em relação à coincubação, segundo o diretor da Indústria e Inovação do Tecpar, Rafael Rodrigues, é complementar os processos de incubação das duas instituições, permitindo que os incubados tenham acesso à infraestrutura tanto do Tecpar quanto de Senai.

Já em relação ao Energy Camp e Smart Farm, a intenção é revitalizar os campi do Tecpar na CIC, em Jacarezinho e em Araucária, com esses novos conceitos, que são trabalhados pelas duas instituições. “Queremos trabalhar com o living lab, para nossos campi serem laboratórios a céu aberto”, diz Rafael Rodrigues.

A ideia, segundo ele, é que o câmpus CIC passe ter uma área para o Energy Camp, apoiando assim as atividades do Tecpar na área de energias renováveis. Já os campi de Jacarezinho e Araucária levariam à frente projetos do agrotech, para testar tecnologias inovadoras voltadas ao agronegócio”, pontua.

O último item do acordo, sobre certificação de geração distribuída (SELO GD) e a Certificação de cadeia de biocombustíveis, busca estreitar as relações entre o Tecpar Certificação, divisão cujo negócio é a certificação de produtos e sistemas, com o Senai. “Atuaremos desta forma de maneira mais sinérgica na área de certificação”, analisa Rodrigues.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Governador propõe um Paraná inovador, inteligente e tecnológico

O governador Carlos Massa Ratinho Júnior afirmou nesta terça-feira (5) que o objetivo da nova gestão é transformar o Paraná em um Estado inovador, inteligente e tecnológico. A declaração foi dada para cerca de 100 investidores reunidos no Paraná Day, um e

O governador Carlos Massa Ratinho Júnior afirmou nesta terça-feira (5) que o objetivo da nova gestão é transformar o Paraná em um Estado inovador, inteligente e tecnológico. A declaração foi dada para cerca de 100 investidores reunidos no Paraná Day, evento inédito no País realizado em Curitiba pela XP Investimentos.

No encontro, o Governo do Estado apresentou o Programa de Parcerias do Paraná (PAR) e planos de trabalho da Sanepar, Copel, Agepar e Celepar para os próximos quatro anos. “Tivemos a oportunidade de apresentar o Paraná para o País e o mundo. Os empresários estão em busca de projetos nos estados e demonstramos que o Paraná estrategicamente é a melhor opção”, afirmou.

Ratinho Júnior ressaltou que a escolha do Paraná para estrear essa aproximação entre empresários e o Poder Público mostra que o Estado criou um ambiente inédito de bom relacionamento em todas as áreas. “O empresário tem que ter retorno e deixar a sua riqueza aqui no Paraná para gerar emprego e renda. Essa experiência acontece em todo o mundo e precisa ser ampliada no Estado”, completou.

O governador citou referenciais do Estado com a mão de obra qualificada, bons índices de investimentos nas grandes cidades, a localização geográfica e o potencial inovador do agronegócio. Ele também destacou que o Paraná experimenta sintonia inédita com o governo federal, os três senadores e a bancada da Câmara dos Deputados. “Há uma aliança em torno de projetos inovadores”, disse.

PLANEJAMENTO – O programa de parcerias alinha o planejamento de médio e longo prazo do Estado e abrange a Copel, Sanepar, Celepar e Agepar, explicou Ratinho Junior no seu discurso. “Culturalmente nunca nos preocupamos com planejamento de médio e longo prazo para o País e os estados. O que estamos fazendo é tentar mudar isso”, disse.

“Temos um exemplo muito concreto. O Paraná é o maior produtor de alimento por metro quadrado do planeta. É a nossa matriz econômica. Nós estamos criando ambiente para as cooperativas pensarem na qualificação dessa produção. Existe um ambiente muito forte de industrialização, que vai gerar renda para a nossa população”, afirmou Ratinho Junior.

O governador também voltou a falar que tem como desafio transformar o Paraná em um hub logístico da América do Sul a partir da ligação entre o Porto de Paranaguá e o Porto de Antofagasta, no Chile. A proposta já foi apresentado ao presidente Jair Bolsonaro.

TECNOLOGIA – O Paraná vai se tornar um Estado simples, rápido e descomplicado. O mote da apresentação de Allan Costa, presidente da Celepar, foi mostrar que o planejamento de tecnologia é voltado para a inteligência como serviço público. “A Celepar propõe um governo inteligente, que se antecipa ao que vai acontecer. Temos que ser um celeiro de desenvolvimento de smart cities, do governo tecnológico e do agronegócio tecnológico. Serão as nossas prioridades para os próximos anos”, afirmou.

Uma das ideias é a criação de uma plataforma de tecnologia aberta para empresários e os setores industrial e do agronegócio. “O Paraná tem um caminhão de ativos tecnológicos e uma rede de universidades estaduais que está produzindo conhecimento e tecnologia. O intuito é que toda essa produção seja acessível e encorajada para ampliar a oferta de soluções empresariais”, destacou.

ENERGIA E SANEAMENTO – O Governo do Paraná é o principal acionista da Copel, maior empresa do Estado e 35a. do país. Daniel Pimentel Slaviero, presidente da estatal, afirmou que a companhia mostrou para os investidores que o foco para os próximos anos é na disciplina financeira e no aprimoramento no DNA da empresa, que é gerar, transmitir, distribuir e comercializar energia. “Essa é a primeira vez que um Estado recebe um evento como esse. Mostra como o mercado olha o Paraná como um todo com grande entusiasmo”, afirmou.

O presidente da Sanepar, Claudio Stábile, destacou os índices da empresa na sua apresentação. A companhia atende 345 municípios com 100% de atendimento com água potável e 72,5% de atendimento com rede coletora de esgoto. Stábile afirmou que a Sanepar projeta R$ 7,12 bilhões de investimentos entre 2019 e 2023.

PARANÁ DAY – O evento, organizado pela consultoria XP Investimentos, reuniu cerca de 100 investidores no Hotel Sheraton Four Points, em Curitiba. Leandro Salles Santos, coordenador institucional da XP Investimentos, afirmou que o Paraná foi escolhido porque se tornou muito receptivo ao encontro.

“A XP tem um histórico desde a sua fundação de juntar economia real, o meio político, empresarial e investidores. O intuito é aproximar a iniciativa privada das oportunidades e gerar uma relação de confiança no mercado”, afirmou.

Segundo ele, a empresa entende que não faltam projetos de investimento no País, e sim confiança de quem empreende. “O investidor olha com prazo mais longo. Para que consigam realizar investimentos, os empresários precisam conhecer as pessoas que estão dando respaldo a esse ambiente. O governo, as empresas estaduais, as agências, são extremamente relevantes para gerar esse elo de investimentos”, completou.

PARTICIPAÇÕES – Participaram o chefe da Casa Civil, Guto Silva; o secretário de Planejamento, Valdemar Jorge; o secretário de Comunicação e Cultura, Hudson José; o secretário de Segurança Pública, Luiz Felipe Carbonell; o deputado federal Ricardo Barros; o ex-governador de Goiás, Marconi Perillo; o presidente da Agepar, Omar Akel, e da Agência Paraná de Desenvolvimento, Eduardo Bekin.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Deputado aciona justiça para questionar licitação na Celepar

O deputado estadual Márcio Pacheco questiona, na justiça do Paraná, uma contratação milionária feita,no final de 2018, pela Celepar – Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicações do Paraná.

Trata-se do pregão eletrônico 44/2018 para contratar empresa de tecnologia para controle e fiscalização de tráfego, de trânsito, velocidade de veículos e análise de dados coletados em diversos pontos do Estado do Paraná. A vencedora foi a Velsis Tecnologia por um valor anual de 50 milhões de reais por ano, podendo o contrato se estender a cinco anos, rendendo 250 milhões de reais para a parte vencedora.

Para o deputado, estranha o fato de a licitação ter sido feita de maneira muito rápida, com a participação de apenas três empresas e com um edital que não deixaria claro, para pesquisas via internet pelos interessados, por exemplo, o objeto da contratação. A concorrência também não teria sido amplamente divulgada, impedindo a participação de mais empresas.

De acordo com pedido na ação, o Edital seria nulo porque a descrição de seu objeto não traduz o serviço, de fato, licitado. E as especificações, tratam, exclusivamente, de controle de tráfego, de velocidade de veículos, de placas de carro, etc. Mas nada disso constaria na descrição do objeto.

Uma das primeiras medidas de Ratinho Junior, governador eleito do Paraná, foi rever todos os contratos firmados nos últimos meses de mandato do governo anterior. Resta saber que destino a nova administração vai dar a esse contrato milionário acertado pela Celepar no final de 2018. A conferir.

Paraná é finalista no prêmio de Excelência em Competitividade com case de Business Intelligence

O Projeto gerou um aumento na arrecadação de impostos, sem aumentar a carga tributária. Os vencedores serão anunciados no dia 14 de setembro em São Paulo

Para desmistificar a máxima de que serviços públicos não funcionam e incentivar as boas práticas, todos os anos, o Centro de Liderança Pública (CLP) premia os melhores projetos de gestão pública que impactam positivamente a sociedade. Este ano, o projeto de análise de dados do fisco estadual do Paraná está entre os finalistas do Prêmio de Excelência em Competitividade por utilizar a tecnologia para aumentar arrecadação do Estado sem gerar novos tributos.

O Ranking de Competitividade dos Estados é uma ferramenta elaborada pelo Centro de Liderança Pública, em parceria com a Tendências Consultoria Integrada e a Economist Intelligente Unit, que busca pautar a atuação de secretários e governadores brasileiros na melhoria da competitividade dos seus estados. A partir da análise do conjunto de 10 pilares e 66 indicadores, o Ranking fornece uma visão sistêmica da gestão pública estadual para que a população possa avaliar o seu estado, estimular os líderes públicos a buscarem inovações e melhorias. A premiação visa reconhecer os estados que se destacaram na priorização da competitividade na formação da agenda do estado, e busca valorizar políticas de alto impacto que influem diretamente nos indicadores que compõem o Ranking.

O Programa De Tecnologia Avançada De Análise De Dados No Fisco Estadual Paranaense implementou ferramentas de B.I – Business Intelligence – para identificar e evitar fraudes na arrecadação de impostos O Estado integrou aos seus sistemas softwares de analise, armazenamento e cruzamento de dados para aumentar capacidade e eficiência no controle e fiscalização de tributos.

Por meio do novo sistema, a arredação de ICMS passou de 8% para 10,8%, caracterizando um crescimento de 34%, o que rendeu aos cofres públicos mais 150 milhões de reais. O uso da tecnologia também trouxe maior transparência e integração dos dados uma vez que todos os auditores têm acesso a todas as informações. Além do Paraná estão na disputa projetos do Pará, Pernambuco, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Ao todo foram inscritos 90 projetos de todo o Brasil para o Prêmio Excelência em Competitividade dos quais seis foram selecionados por um grupo de especialistas parceiros do CLP. Os vencedores serão anunciados no dia 14 de setembro, em um evento na B3, em São Paulo, junto com a apresentação dos resultados do Ranking de Competitividade dos Estados.

Doze startups do Paraná estão entre as mais inovadoras do Brasil

Mais de 1.500 relacionamentos estabelecidos entre startups e grandes empresas, quase o dobro comparado a 2017. Esses são os números apresentados pelo movimento 100 Open Startups, plataforma que conecta startups a grandes empresas, durante o anúncio do Ranking 100 Open Startups 2018, que ocorreu nesta quarta-feira (04), no CUBO, em São Paulo.

A lista é resultado de um processo anual que envolve especialistas do mercado, como aceleradoras, investidores e grandes empresas, e reconhece as startups que mais despertaram interesse em grandes instituições. Além das 100 startups mais atraentes na visão do mercado e prontas para investimento e das companhias mais engajadas no ecossistema de inovação brasileiro, o movimento também apresentou a lista de startups de destaque em 24 categorias.

Doze startups paranaenses, sendo dez de Curitiba, uma de Londrina e uma de Francisco Beltrão, aparecem nessa importante lista:

1. GoEpik

Indústria 4.0 – inteligência de processos. Criamos inteligência de processos que inova, conecta e transforma a gestão da organização.

2. Loox Studios

Precursora em conteúdo e tecnologia de realidade virtual e aumentada no Brasil.

3. Eruga

Desenvolvemos treinamentos operacionais e de segurança em um ambiente virtual e gamificado.

4. Pipefy

Pipefy empowers managers to quickly deploy, automate and connect any end-to-end workflow in a matter of hours without the need of IT.

5. Beenoculus

A Beenoculus Tecnologia é líder em soluções de realidade virtual, aumentada e mediada na América Latina atendendo o mercado com infraestrutura, produção e distribuição de conteúdo dessas novas mídias.

6. Vidya Techology

We develop and sell hardware and software to asset integrity and corrosion monitoring for complex industrial plants operation.

7. Ubivis

A Ubivis fornece serviços contínuos de digitalização industrial aderente ao padrão Industria 4.0 através de sistema pronto para uso via SaaS.

8. Send4

Conectamos os meios online e offline, fazendo com que o recebimento e devolução de compras online sejam simples, rápidos e práticos.

9. 33 Robotics

Logística Indoor robotizada – Transporte autônomo de cargas em locais fechados através de unidades robóticas.

10. O Polen

O Polen é uma estratégia de melhoria na experiência de compra do ecommerce que usa impacto social para diminuir o abandono de carrinho.

11. QualityStorm (Londrina)

O QualityStorm é uma solução para digitalização do processo de inspeção de qualidade focada na facilidade de operação.

12. EdukaMaker (Francisco Beltrão)

Buscamos diminuir o déficit educacional diretamente na base, promovendo o empreendedorismo social bem como o empoderamento tecnológico.

“Em 2018, 275 startups obtiveram pontuação para o ranking que mede o relacionamento delas com grande empresa, o que constata a consolidação deste mercado. Open Innovation já é uma realidade no Brasil e vem crescendo exponencialmente, o que é comprovado pelos números apresentados. Estamos extremamente satisfeitos em termos ajudado a fomentar no país um ambiente de colaboração que gera oportunidades reais de negócios inovadores. Há três anos, quando lançamos o primeiro Ranking era ousado pensar em encontrar 100 startups qualificadas para esse tipo de relacionamento”, comenta Bruno Rondani, fundador e CEO da 100 Open Startups.

Entre os setores que se destacaram estão: varejo, agricultura, construção, serviços financeiros, alimentação e para PMEs. Já entre as tendências de crescimento identificadas estão Marketplace, Big Data, Biotech, Visão Computacional, IoT, Realidade Virtual e Realidade Aumentada.

O evento contou ainda com a presença de uma das pesquisadoras em empreendedorismo mais influentes do mundo, professora Saras Sarasvathy, responsável por introduzir o conceito de Effectuation e que reconheceu o movimento 100 Open Startups como um case de validade global.

Números do Movimento em 2018

4.600 startups ativas

9000 executivos avaliadores

800 grandes empresas conectadas

32 mil avaliações registradas

Mais de 1.500 relacionamento estabelecidos entre 275 startups e 243 grandes empresas.

Veja o Ranking TOP 100 Open Startups.

Greve dos caminhoneiros prejudicou 76,9% das empresas paranaenses

A greve dos caminhoneiros, em maio, foi bastante nociva para as vendas do varejo segundo pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), que avaliou a dimensão do impacto para os lojistas e prestadores de serviço. Das empresas participantes, 76,9% declararam que a manifestação foi ruim para seus estabelecimentos. Houve empresários com percepção positiva, 9,3%, e 13,8% disseram que ainda não sabiam medir as consequências da paralisação.

Impactos

A queda no número de clientes foi apontada por 36,6% das empresas como o principal problema enfrentado durante os dez dias de paralisação. Outros reflexos da greve foram problemas na logística (17,1%); aumento dos custos (14,6%); alta no preço das mercadorias (12,2%) e picos de demanda (4,1%). Além disso, 15,4% dos empresários mencionaram outras complicações, tais como, a dificuldade de deslocamento dos colaboradores, inadimplência e alguns citaram que foram afetados pelo somatório de todas as consequências negativas da greve que constavam na pesquisa.
Para agravar a situação das empresas, a mais recente divulgação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) trouxe a prévia da inflação, que teve alta de 1,11% (IPCA 15), influenciada pelos setores de bebidas e alimentação (1,57%) e transportes (1,95%). Fatos sazonais como estes podem motivar que o Banco Central volte a elevar taxas de juros, o que pode comprometer a manutenção do desempenho econômico.

Medição dos prejuízos

O percentual do prejuízo deixado pela paralisação chegou a mais de 30% no faturamento entre maio e junho para 22,3% das empresas consultadas pela Fecomércio PR. Empresários que tiveram perdas de até 5% correspondem a 12,8%; prejuízos entre 6% e 10% foram relatados por 24,5%; reduções entre 11% e 20% atingiram 18,1% dos comerciantes e prestadores de serviços; o mesmo percentual relatou ter perdido entre 21% e 30% dos lucros. Os que não sabem quanto perderam correspondem a 4,3%. Em média, os prejuízos no período da greve foram de 20,43% do faturamento.

Confiança em baixa

A greve dos caminhoneiros também derrubou a confiança no varejo. Apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o Índice de Confiança do Empresário do Comércio recuou 3,5% em junho na comparação com o mês anterior e teve a maior variação negativa desde agosto de 2015.

O resultado do Icec aponta que a paralisação comprometeu a percepção dos varejistas em relação à economia nas condições correntes. Este subíndice teve redução de 8,1% de maio para junho – maior retração registrada nesse quesito desde novembro de 2015. Na opinião de 62,3% dos entrevistados, houve piora no cenário econômico.

Startup que facilita acesso a produtos financeiros consignados chega ao PR

O aplicativo Meu TUDO, criado para facilitar o acesso a produtos financeiros consignados, será lançado para os funcionários do Governo do Paraná no próximo dia 25 (segunda-feira). A startup, que muda completamente a forma de contratar os empréstimos, possibilita ao cliente escolher o banco e o produto que melhor atende as suas necessidades, sem os elevados custos de intermediação praticados hoje no mercado.

Com o Meu Tudo, o usuário pode, por exemplo, simular um empréstimo, visualizar sua margem, comparar taxas e propostas e, ao final do processo, escolher produtos financeiros com toda a transparência, comodidade e segurança. Tudo isso, desde o início até receber o crédito na conta, demora de 25 a 30 minutos.

“Na prática, o Meu TUDO é um marketplace que facilita o acesso a produtos financeiros consignados. É um produto totalmente inovador”, diz Marcio Feitoza, CEO da startup. “Fazemos uma integração com o sistema responsável pela gestão da margem consignável dos funcionários públicos e privados ativos e inativos. Consequentemente, possibilitamos que eles utilizem o aplicativo na contratação de produtos e serviços, via consignação em folha de pagamento, das empresas consignatárias credenciadas”.

Feitoza explica ainda que o aplicativo surgiu para acabar com intermediários e elevar concorrência entre os bancos, o que pode resultar na queda de até 20% na taxa de juros cobradas dos trabalhadores.

O produto já funciona ativamente para funcionários do Governo do Estado de Santa Catarina e Pernambuco e foi desenvolvido a partir da expertise de sócios que atuam no mercado de empréstimo consignados desde 1998. Está disponível na Apple Store e Google Play, funciona com cadastro digital, com ferramentas de identificação e antifraude, como reconhecimento facial.

Sistema Fiep oferece cursos gratuitos do Senai na feira Autopar, em Pinhais

O Sistema Fiep, por meio do Senai no Paraná, vai oferecer cursos rápidos e gratuitos durante a Feira de Fornecedores da Indústria Automotiva (Autopar). Com duração de oito horas, os cursos serão realizados nas Unidades Móveis do Sistema Fiep, entre os dias 6 a 9 de junho, no Expotrade Pinhais. Entre as qualificações disponíveis estão Introdução à Injeção Eletrônica de Motocicletas, Introdução a Freio e Suspensão Automotivo, e Introdução à Eletricidade Básica Automotiva. Os interessados podem procurar a secretaria do Sistema Fiep, em Pinhais, para fazer sua inscrição. As vagas são limitadas.

Para participar, os pré-requisitos são idade mínima de 18 anos e ensino fundamental completo, com prioridade para aqueles que não possuem carteira de trabalho assinada. Segundo o gerente de ações móveis do Sistema Fiep, Waldemir Amaro, a expectativa é de que 104 pessoas recebam certificado emitido pelo Senai. “Em parceria com o Sindirepa Paraná, nesta edição estamos inovando para sair da condição de expositor com visitação, ofertando aulas práticas e demonstração de cursos para o setor automotivo”, explica.

Escola Móvel Senai

Lançado em outubro de 2017, o projeto funciona atendendo demandas pontuais, levando educação profissional para localidades onde não há unidade fixa. Em local predeterminado, é instalada uma estrutura de tendas e contêineres criando um ambiente de ensino flexível. Neste ambiente, são montados kits didáticos conforme a demanda da região e instaladas unidades móveis, que são adaptadas para laboratórios e oficinas, com toda infraestrutura necessária para o desenvolvimento das aulas teóricas e práticas.

Para mais informações sobre os cursos oferecidos pelo Senai, entre em contato com a unidade mais próxima www.senaipr.org.br.