Gartner divulga dicas para convencer os líderes empresariais a investirem em Data & Analytics

As ações de Data & Analytics (D&A) estão no topo da agenda dos Chief Information Officers (CIOs) há vários anos. No entanto, para atingir níveis de maturidade em D&A com potencial para gerarem mais vantagens, cada área de uma organização deve desenvolver alguma estratégia própria, capaz de convencer os líderes corporativos a realmente investirem em análise de dados. Os líderes de D&A, portanto, devem estar prontos para mostrar as vantagens das aplicações de análise à diretoria. Por isso, o Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, recomenda que as equipes de Data & Analytics demonstrem a importância “vital” ou “crítico” das ações de análise em um ambiente cada vez mais desafiador. Apresentar os planos ao conselho, porém, nem sempre é tão simples.

Pensando nisso, os analistas do Gartner, Lydia Clougherty Jones e Frank Buytendijk, prepararam as seguintes dicas para otimizar as práticas de apresentação das iniciativas de Data & Analytics aos Conselhos de negócios:

1 – Use a linguagem de negócios enquanto está preparado para fornecer informações técnicas: é comum tentar explicar tudo sobre o que você é apaixonado, mas nas reuniões do Conselho de Administração, com a presença dos líderes executivos da empresa, é recomendável ir direto ao ponto e apresentar os benefícios da área de D&A para os negócios. É crucial vincular as ações de Data & Analytics à estratégia organizacional de alto nível. Por exemplo, um líder de D&A poderia dizer o seguinte sobre uma meta de crescimento estratégico: “Temos uma meta de crescimento agressiva de 20%. Pelo menos 60% dessa oportunidade de crescimento está concentrada nas ações de upselling ou cross-selling dentro da nossa base de clientes existente. Isso significa que precisamos entender melhor quem são nossos clientes e o que eles precisam. Este é o núcleo do programa de dados e análise de clientes de 360°”. No entanto, ao mesmo tempo, mostre que você fez sua lição de casa incluindo detalhes adicionais como parte de um apêndice. Nem todo executivo vai passar por isso, mas fornecer as informações mostra prontidão e respeito pelo público.

2 – Faça a apresentação baseado em fatos, seja breve e conte uma história: certifique-se de que ao reduzir sua apresentação para torná-la sucinta, seu discurso não perca a parte envolvente e importante. Contar histórias é uma parte essencial para captar o interesse do conselho. Uma maneira de fazer isso é dividir a história em quatro passos. Veja um exemplo que explica a necessidade do gerenciamento de dados mestres (MDM):

Passo 1 – Descreva o cenário: “17% das nossas faturas contêm erros, o que leva a atrasos médios de uma semana a pagar estas faturas”.

Passo 2 – Diagnostique o problema: “A causa desse problema é não ter uma maneira única de identificar os clientes. Temos padrões diferentes em 12 sistemas de faturamento específicos”.

Passo 3 – Faça a análise preditiva: “A cada trimestre, continuamos a fazer isso; e esses erros custam US$ 100.000 em capital de giro e crédito de curto prazo”.

Passo 4 – Prescreva uma solução: “Para resolver a questão, devemos implementar uma tecnologia chamada MDM, que nos ajude a corrigir isso e a gerenciar no futuro”.

3 – Seja claro sobre o que sua organização pode alcançar e forneça vários cenários de como as operações da companhia poderão atingir esses resultados: problemas que atingem o nível do conselho são geralmente complexos e não têm respostas simples, do tipo “sim ou não”. Fornecer vários cenários de como uma iniciativa de D&A pode funcionar fornecerá uma plataforma para discussão e ajudará a garantir a adesão dos executivos. É crucial ser muito claro sobre o que a companhia espera alcançar com a aplicação das iniciativas de Data & Analytics e, se possível, discutir esse objetivo antecipadamente com os membros do conselho que estão patrocinando a reunião. Em seguida, apresente diferentes cenários sobre como alcançar esse objetivo. Explique qual caminho deve ser escolhido inicialmente, mas deixe espaço para que os membros do conselho administrativo possam escolher ou sugerir outras opções, por motivos que a equipe técnica não conhece.

4 – Seja específico sobre o que as ações de D&A significam para a sua empresa e, ao mesmo tempo, apresente uma perspectiva externa, com exemplos de uso: é ótimo usar tendências de mercado e mostrar exemplos de como outras organizações estão fazendo. Pode proporcionar clareza, inspiração e até mesmo um senso de urgência dentro do conselho. No entanto, é importante garantir que os exemplos externos sejam sempre traduzidos para serem relevantes para sua organização. Isso deve ir além da tradução de exemplos externos para o contexto da estratégia organizacional oficial. Identifique as ambições pessoais e paixões de membros específicos do conselho e mostre como as iniciativas de D&A podem ajudar a realizá-las.

Conferência Gartner Data & Analytics 2019

Os analistas do Gartner fornecerão análises adicionais sobre as tendências de dados durante a Conferência Gartner Data & Analytics 2019, que ocorrerá de 29 a 30 de maio em São Paulo. Interessados em participar do evento devem contatar o Gartner pelo e-mail conferencias.brasil@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800 774 1440, ou pelo site https://www.gartner.com/pt-br/conferences/la/data-analytics-brazil.

Gartner: mais de 87% das organizações ainda têm baixa maturidade em BI e Analytics

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, anuncia que mais de 87% das organizações são classificadas como tendo baixa maturidade em Business Intelligence (BI) e Analytics. Isso cria um grande obstáculo para as companhias que desejam aumentar o valor de seus ativos de dados e explorar novas tecnologias de análise, como o aprendizado de máquina.

Organizações com baixa maturidade caem em níveis “básicos” ou “oportunistas” na pontuação de TI do Gartner para Data & Analytics (DA). As organizações no nível básico têm recursos de BI que são, em grande parte, análises baseadas em planilhas ou em extrações de dados pessoais. Empresas com nível oportunista descobrem que as unidades de negócios individuais buscam suas próprias iniciativas de dados e análises como projetos independentes, sem liderança e orientação central.

“A baixa maturidade de BI limita severamente os líderes que estão tentando modernizar a inteligência de dados”, diz Melody Chien, Analista Sênior do Gartner. “Isso também afeta negativamente todas as partes do fluxo de trabalho de análise. Como resultado, os líderes de D&A podem lutar para acelerar e expandir o uso de recursos modernos de BI e novas tecnologias”.

De acordo com a analista, empresas com baixa maturidade exibem características específicas que retardam a disseminação das capacidades de Business Intelligence. Estes incluem infraestrutura de TI primitiva ou antiga; colaboração limitada entre usuários de TI e de negócios; dados raramente ligados a um resultado comercial claramente divulgado; funcionalidade de BI baseada principalmente em relatórios; e gargalos gerados ​​pela equipe de TI, que é responsável pela criação de conteúdo e preparação de modelo de dados.

“Empresas com baixo nível de maturidade podem aprender com o sucesso de organizações mais maduras”, afirma Melody, destacando que pesquisas e tendências sobre o tema serão apresentados durante a Conferência Gartner Data & Analytics 2019, que ocorrerá de 29 a 30 de maio em São Paulo. “Sem reinventar a roda e cometer os mesmos erros, os líderes de organizações em processo de desenvolvimento das estratégias de BI podem aproveitar ao máximo seus recursos atuais para acelerar a implantação de ferramentas de inteligência analítica moderna e iniciar a jornada rumo a uma maior maturidade”, diz.

O Gartner anuncia que há quatro etapas que os líderes de Data & Analytics poderiam seguir nas áreas de estratégia, pessoas, governança e tecnologia para desenvolver as capacidades de suas organizações para um maior impacto nos negócios. São elas:

1. Desenvolva dados holísticos e estratégias de análise com uma visão clara – Organizações com baixa maturidade de BI frequentemente exibem falta de dados e de estratégias de análise com visão clara. As unidades de negócios realizam projetos de Data & Analytics individuais, o que resulta em silos de dados e processos inconsistentes. Os líderes de Data & Analytics devem coordenar-se com os líderes de TI e de negócios para desenvolver uma estratégia holística de BI. Eles também devem ver a estratégia como um processo contínuo e dinâmico, de modo que qualquer negócio futuro ou mudanças ambientais possam ser levados em conta.

2. Crie uma estrutura organizacional flexível, explore recursos de análise e implemente o treinamento de análise contínua – As empresas deveriam ter pessoas, habilidades e estruturas-chave para promover e garantir habilidades. Eles poderiam antecipar necessidades futuras e garantir que as habilidades e funções das organizações sejam desenvolvidas a partir de um trabalho de identificação e análise de informações. Com recursos internos limitados para a análise de dados, os líderes de Data & Analytics deveriam se esforçar para obter um modelo de trabalho flexível, criando “equipes virtuais de BI” que incluam líderes e usuários de todas as unidades de negócios.

3. Implemente um programa de governança de dados – A maioria das organizações com baixa maturidade em BI não possui um programa formal de controle de dados. Essas empresas podem ter pensado sobre a importância desses projetos, mas não sabem por onde começar as implementações. Os líderes de Data & Analytics podem considerar a governança como as “regras do jogo” para apoiar os objetivos de negócios e também permitir que a organização equilibre as oportunidades e os riscos no ambiente digital. A governança também é uma estrutura que descreve os direitos de decisão e os modelos de autoridade que devem ser impostos aos dados e à análise.

4. Crie plataformas analíticas integradas que possam suportar uma ampla gama de usos – Organizações de baixa maturidade geralmente têm infraestruturas de TI primitivas. Suas plataformas de Business Intelligence são mais tradicionais e centradas em relatórios, embutidas em sistemas ERP, ou simples ferramentas de relatórios que suportam diferentes usos. Para melhorar sua maturidade de análise, os líderes de Data & Analytics devem considerar plataformas de análise integradas que ampliem sua infraestrutura atual para incluir tecnologias de análise modernas.

Conferência Gartner Data & Analytics 2019

Os analistas do Gartner fornecerão análises adicionais sobre as tendências de dados durante a Conferência Gartner Data & Analytics 2019, que ocorrerá de 29 a 30 de maio em São Paulo. Interessados em participar do evento devem contatar o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800 774 1440, ou pelo site https://www.gartner.com/pt-br/conferences/la/data-analytics-brazil.

Gartner identifica as 10 principais tecnologias para o ensino superior em 2019

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, anuncia quais são as 10 principais tecnologias estratégicas que impactarão o ensino superior em 2019. O Gartner destacou as tecnologias que os Chief Information Officers (CIOs) do setor de ensino superior devem ter em seus radares este ano, especialmente à medida que buscam melhorar sua vantagem competitiva e apoiar os modelos de negócios emergentes.

“As instituições que buscam prosperar no ecossistema de educação em expansão devem aproveitar a tecnologia desde o início para permitir que se tornem mais inovadoras”, diz Glenda Morgan, Diretora Sênior de Pesquisa e Analista do Gartner.

Segundo o Gartner, as 10 principais tecnologias estratégicas que impactam o ensino superior em 2019 são:

Segurança de última geração e gerenciamento de riscos – Há uma ampla variedade de fatores, como aconformidade regulatória global, crescimento do cenário da Internet das Coisas (IoT) e a expansão do portfólio desoftware como serviço (SaaS), que estão começando a forçar as instituições de ensino superior a tratarem de questões de segurança e risco com uma estratégia multidimensional. “A segurança da próxima geração deve oferecer novas abordagens que apoiem os negócios digitais e os objetivos acadêmicos, de pesquisa e de negócios das instituições”, afirma Glenda. “O aluno moderno espera experiências personalizadas sem descontinuidades e, portanto, os objetivos típicos de segurança de confidencialidade, integridade e disponibilidade devem se expandir para incluir privacidade, segurança e confiabilidade à medida que as instituições se tornam mais digitais”.

Interface de Conversação de Inteligência Artificial (IA) – As interfaces de conversação baseadas em Inteligência Artificial são um subconjunto das chamadas Interfaces de Usuário Conversacional, nas quais as interações entre usuário e máquina ocorrem na linguagem natural falada ou escrita do usuário. Essas interfaces colocam a máquina para aprender o que o usuário quer, ao invés de fazer com que os usuários tenham que aprender a utilizar o software. Assim, essas soluções permitem economizar o tempo dos estudantes, aumentando a satisfação dos alunos e estando disponível para uso 24 horas, sete dias por semana. “As Interfaces de Usuário Conversacional deverão ter um crescimento explosivo no ensino superior”, diz Glenda. De acordo com o estudo “2019 CIO Agenda Survey”, a porcentagem de instituições de ensino superior que implantaram ou têm planos de implantar o uso dessas soluções saltou de 18 para 38% em apenas um ano.

 Campus Inteligente – Um campus inteligente é um ambiente físico ou digital no qual as pessoas e os sistemas tecnológicos conseguem interagir para criar experiências imersivas e automatizadas, com serviços que atendam todos os públicos de uma universidade. Iniciativas inteligentes no campus ainda estão nos estágios iniciais, mas tem havido um crescente interesse em instituições de ensino superior. “O campus inteligente impulsionará o crescimento de soluções como as voltadas para a automação de processos robóticos (RPA) e para realidade aumentada e virtual (AR / VR) no ensino superior. A eficiência do campus será aprimorada e o aprendizado dos alunos será enriquecido com os novos recursos que eles trazem. É uma conquista completa, exceto pelas implicações de segurança de dados que vêm com a maioria das iniciativas de tecnologia hoje em dia”, afirma a diretora.

Análise preditiva – A análise preditiva usa dados históricos para reconhecer padrões e avaliar resultados prováveis ​​usando técnicas estatísticas ou de aprendizado de máquina. Eles podem ajudar em tudo, inclusive calcular a demanda dos alunos por um determinado curso ou identificar alunos em risco de reprovar, desistir ou transferir sua matrícula. “A análise preditiva pode ser uma ferramenta particularmente poderosa para os CIOs do setor de ensino superior”, afirma Glenda. “Os céticos podem alegar que os resultados da análise preditiva – como identificar uma possível desistência de um aluno – poderiam ter sido determinados de outra forma, mas seu poder real vem da forma como esses sistemas de análise realizam a previsão avaliando uma série de fatores para solucionar o problema”.

Nudge Tech – O Nudge tech é uma coleção de tecnologias – Nuvem, móvel, social e de dados – que trabalham juntas para obter interação personalizada e rápida com alunos, funcionários e corpo docente, como um lembrete de texto em tempo real (SMS) para a turma. “A ideia por trás de ‘cutucar’ (nudge, em inglês) é que as instituições usem os dados para causar impacto no comportamento, como estabelecer bons hábitos de estudo ou ter tempo para fazer exercícios físicos entre as aulas”, afirma Glenda. “Acima de tudo, o Nudge Tech é um exemplo concreto de como conseguir personalização em escala, o que está se tornando uma vantagem competitiva fundamental em um ecossistema de educação digital e cada vez mais global”.

Tecnologias de Credenciamento Digital – As credenciais digitais são uma evolução natural das credenciais tradicionais para a eliminação de fraudes. A maturidade de tecnologias como o blockchain e a criptografia de dados, e a evolução de sites de redes profissionais estão impulsionando uma mudança na entrega de credenciais de ensino superior. Os alunos, o corpo docente e as instituições de ensino superior das quais fazem parte estão começando a esperar a capacidade de trocar credenciais de forma rápida e gratuita para aprimorar o processo de verificação e recrutamento. “De muitas maneiras, as credenciais emitidas por uma instituição de ensino são a única evidência tangível do ensino superior. Eles devem ser considerados a moeda do ecossistema educacional”, diz a analista. “Essas soluções realmente permitem que as universidades aproveitem a tecnologia para melhorar a experiência do aluno, dando-lhes mais controle sobre suas informações. O único obstáculo é uma falta geral de compreensão das tecnologias de credenciamento digital e aversão ao risco na natureza de alto risco do mercado de ensino superior”.

Plataformas de Integração Híbrida – Instituições educacionais estão adotando cada vez mais aplicativos de negócios baseados em Nuvem, resultando em um portfólio híbrido de sistemas Cloud e local. Além da complexidade dos vários recursos de integração exigidos pela abordagem híbrida, há a presença das ferramentas do gerenciador de relacionamento com o cliente (CRM) e do sistema de gerenciamento de aprendizado (LMS) da instituição de ensino. Uma plataforma de integração híbrida (HIP) aproveita as melhores abordagens de integração em ambientes baseados em Nuvem e no ambiente local e está rapidamente se tornando a estrutura de referência para a infraestrutura de integração da próxima geração.

Software de carreira – A importância do software de carreira está atingindo seu pico global, à medida que as instituições educacionais estão se tornando cada vez mais responsáveis ​​pelos resultados de seus alunos após a graduação. “Historicamente, o software de carreira foi encontrado nos escritórios de escolas profissionais, como negócios ou engenharia, mas estamos vendo as instituições explorarem a opção de implantar uma única ferramenta centrada na carreira no nível corporativo”, diz Glenda. “O mercado de software de carreira é grande e diversificado, por isso as universidades precisam investir tempo nas ferramentas que atendem às suas necessidades e ecossistema específico.”

CRM do ciclo de vida entre alunos – Os CRMs do ciclo de vida dos alunos criam uma visão de 360° em toda a vida dos alunos – incluindo suas principais fases educacionais, começando com o pré-curso e passando pelos status de candidato, inscrito, graduado e ex-aluno. Historicamente, a maioria das implantações de CRM de ensino superior foi impulsionada a partir das necessidades funcionais dos departamentos individuais, sem possibilitar uma visão única do aluno.

Tecnologias de apresentação sem fio – As tecnologias de apresentação sem fio permitem que os usuários projetem material de um computador ou dispositivo móvel em uma tela usando uma rede sem fio, em vez de conexões tradicionais. É provável que as tecnologias de apresentação sem fio se tornem mais importantes, à medida que as instituições de ensino superior avançam para permitir que os alunos e professores possam trazer seus próprios dispositivos (BYOD) e à medida que o uso de tecnologias móveis, como tablets, aumenta.

Gartner divulga oportunidades de crescimento para fornecedores de serviços de tecnologia com o avanço da Computação em Nuvem

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, anuncia oportunidades de crescimento para fornecedores de serviços de tecnologia com o avanço da Computação em Nuvem. Analistas do Gartner destacam que a Computação em Nuvem é a base dos negócios digitais e pesquisas indicam que as ofertas de serviços e estrutura Cloud movimentarão mais de US$ 300 bilhões, até 2021. A categoria de serviços de TI está crescendo de 2% a 3% ao ano, enquanto o crescimento da Nuvem deve crescer seis vezes mais, com alta estimada em 18%. Para gerentes de produto, profissionais de marketing e líderes de negócios em empresas que fornecem produtos e serviços de tecnologia, isso significa um crescimento significativo da fatia de carteira nos próximos anos.

Segundo analistas, uma empresa de petróleo e gás que migra seus dados para a Computação em Nuvem oferece um bom exemplo de como os fornecedores de serviços de tecnologia podem capitalizar o crescimento das opções em Cloud. Afinal de contas, estamos falando de um ambiente de TI que normalmente possui muitos sites remotos e que pode precisar de inúmeros recursos de Nuvem, além de um punhado de serviços de aplicativos e uma dúzia ou mais de serviços de infraestrutura, para ser totalmente migrado para os novos padrões. Esse ritmo de inovação é útil para o mercado como um todo, mas leva a um nível de complexidade que dificulta a adoção e o uso das soluções em Nuvem para as organizações que já contam com portfólio e recursos de TI bastante complexos.

“Quem vai ajudar essa companhia de petróleo e gás a escolher as 62 características certas da Nuvem?”, diz Sid Nag, Diretor de Pesquisa do Gartner. “É onde a consultoria e os fornecedores de serviços gerenciados podem entrar para ajudar os clientes a navegar por essas águas”.

Para alcançarem máximo sucesso em suas atividades, o Gartner destaca que os fornecedores de TI precisam estar atentos para três importantes recomendações:

1. A corrida do ouro para a Computação em Nuvem – Pesquisas do Gartner mostram que 36% dos gastos com serviços de implementação de TI são voltados a recursos baseados em Nuvem, e 28% de todos os gastos com software são para a contratação de Software como Serviço (SaaS). “Quando se trata de Computação em Nuvem, os Chief Executive Officers (CEOs) estão falando com a atenção redobrada sobre as demandas de investimento”, diz o analista. Pesquisas indicam que o número de fornecedores de serviços gerenciados em Nuvem triplicará até 2020. Isto representa a “corrida do ouro da Era em Nuvens”, e este período de rápida expansão será seguido por um período de consolidação massivo, entre 2020 e 2023. As principais questões permanecem para os fornecedores: onde estão as oportunidades específicas de crescimento? Como os fornecedores de tecnologia podem identificar as áreas de crescimento de seus negócios e como podem capitalizar o crescimento dos serviços em Cloud como um todo?

2. O desafio para as empresas – A promessa da Computação em Nuvem muitas vezes mascara os desafios ocultos incorporados nos processos de migração e gerenciamento envolvidos na movimentação de grandes quantidades de infraestrutura e aplicações para ambientes remotos. Os Chief Information Officers (CIOs) de empresas globais que são responsáveis pela migração de milhares de aplicações para redes em Cloud têm quase tantas perguntas quanto os aplicativos relacionados ao processo. Eles questionam sobre migração de dados, quais aplicações precisam ser transferidas primeiro e qual seria a estrutura de posicionamento a ser usada para definir os aplicativos a serem migrados e quais devem ser deixadas no ambiente local. Além disso, têm dúvidas sobre as estratégias de “levantar e mudar” e sobre como agir com as ferramentas nativas em Nuvem (Nuvem Pública, Privada ou Híbrida).

3. Fornecer soluções – Nag detalha as principais oportunidades para a oferta de serviços que suportam as organizações em suas jornadas de migração e otimização para as redes em Nuvem. Migração, pré-planejamento e serviços de consultoria são oportunidades de crescimento para os fornecedores. Os canais de fornecimento devem dar uma olhada detalhada nos serviços de corretagem de Nuvem como uma nova oferta para ajudar os clientes a encontrar o melhor caminho para a adoção das soluções deste segmento. Levantamentos do Gartner destacam que 16% dos orçamentos dedicados à Computação em Nuvem já sejam gastos em serviços relacionados a essa tecnologia – precisamente os serviços que uma empresa como a produtora de petróleo e gás precisa para acelerar sua jornada de adoção. O analista do Gartner destaca cinco oportunidades de crescimento em serviços em Nuvem que valem a pena para os fornecedores explorarem desde já: Serviços de migração – como migrar para a Nuvem; Serviços de pré-planejamento; Consultoria geral e consultoria em modelos ótimos de precificação; Serviços de migração de Data Center; e Serviços de corretagem de Nuvem. O especialista aconselha os fornecedores a manterem-se atentos às necessidades dos negócios de seus clientes e à rápida mudança para a Computação em cloud-first e cloud-only. “Pense em cloud-first ao construir sua oferta de produtos e esse será o seu ingresso para o sucesso”, diz Nag.

Próximos passos – Enquanto a crescente onda da Computação em Nuvem eleva muitos dos barcos que competem no mercado, essas áreas também oferecem oportunidades de crescimento para os fornecedores de tecnologia. Essas companhias devem impulsionar o crescimento vinculando suas ofertas aos resultados de negócios digitais desejados pelos clientes e devem fazer parceria com os principais fornecedores de Nuvem para oferecer uma proposta de valor complementar e expandir para mercados adjacentes. “Os fornecedores devem diferenciar seus negócios com mensagens claras e com a propriedade intelectual exclusiva para atender os clientes, de acordo com o tipo de mercado do cliente, setor, vertical, parcerias estratégicas e região”, afirma o analista do Gartner.

Pesquisas adicionais sobre o tema serão apresentadas durante a Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações & Estratégia de Cloud, que acontece nos dias 24 e 25 de abril em São Paulo. No evento, analistas brasileiros e internacionais irão apresentar conexões vitais entre tecnologias, gestão e cultura com um foco especial na liderança de cada função de Infraestrutura e Operações (I&O).

Interessados em participar da conferência podem contatar o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800 774 1440, ou pelo site www.gartner.com/pt-br/conferences/la/infrastructure-operations-cloud-brazil.

Gartner: líderes de Infraestrutura e Operações podem criar uma cultura de resiliência em suas organizações

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, anuncia que, independentemente do tipo de ambiente em que as organizações trabalham, os líderes de Infraestrutura & Operações (I&O) precisam estar atentos para possíveis perdas ou instabilidade de serviços de TI durante alguns momentos de seus dias de trabalho. Afinal de contas, apesar de frustrantes, as interrupções e problemas são inevitáveis. A questão é entender que, em um mundo digital 24/7, qualquer tempo de inatividade se torna mais crítico do que nunca.

Por isso, o Gartner recomenda que as empresas invistam em uma cultura de resiliência de TI, onde a base de dados pode ser definida por padrões de desempenho e restauração de sua estrutura ou, ainda, pela sua capacidade de adaptação rápida. As pessoas e a cultura de uma organização são alguns dos componentes mais vitais para o fornecimento de uma infraestrutura digital resiliente.

“Os líderes de I&O que estão planejando ou implementando uma infraestrutura digital resiliente devem entender que as pessoas da empresa são tão importantes quanto a infraestrutura e os processos”, afirma Mark Jaggers, Analista Sênior do Gartner.

Para definir a melhor estratégia de formação de uma cultura de resiliência, Jaggers indica atenção em quatro áreas nas quais os líderes de TI precisam observar em suas organizações:

Concentre-se na melhoria contínua

Atualmente, os times de TI estão acostumados a adotarem as mentalidades de “bombeiros” ou de “heróis”, com a principal missão de agir rapidamente quando surge algum problema – ao invés de planejar constantemente o conceito geral necessário para reduzir as interrupções. O herói nem sempre é aquele que resolve o problema. Em vez disso, os verdadeiros heróis são aqueles que impedem que uma crise aconteça em primeiro lugar.

Embora haja valor em salvar um edifício em chamas, a verdade é que há ainda mais importância em pensar como proteger toda a cidade. Uma maneira de fazer essa proteção é realizar uma análise para prever falhas e aprender a responder esses incidentes antes mesmo que aconteça algum problema. Dessa forma, os líderes terão condições para reduzir as ocorrências de interrupções imprevistas e, ao mesmo tempo, para encontrarem novas maneiras de preparar e adaptar os sistemas internos para futuro. Focar em reduzir o tempo de detecção (TTD), o tempo de reparo (TTR) e inserir ferramentas automatizadas que ajudem a evitar as interrupções também são ações importantes e que devem constar na rotina dos líderes de TI.

Coloque os princípios de engenharia de confiabilidade (SRE) para funcionar

Uma equipe de SRE inclui pessoas com habilidades em desenvolvimento de software, redes e engenharia de sistemas. Essa equipe gastará cerca de 50% ou mais de seu tempo criando correções automatizadas, incluindo a detecção de incidentes. É tudo sobre aprender e melhorar com esses incidentes e, em seguida, transferir esse conhecimento para outras pessoas para impulsionar um ecossistema de TI mais resiliente e forte. “A equipe de engenharia de conformidade é desafiada exclusivamente para não apenas encontrar problemas no código-fonte das aplicações ou erros nos elementos operacionais de um sistema de TI, mas também para trabalhar, treinar e influenciar outras equipes com práticas adequadas”, diz Jaggers.

Crie uma cultura de responsabilidade compartilhada

Um dos grandes desafios dos líderes de TI é conviver com o fato de que, em qualquer interrupção, existirá o jogo da culpa, que é contraproducente e não resolve o problema ocorrido. Por isso, embora os seres humanos sejam geralmente os primeiros culpados por interrupções do sistema, as organizações devem entender que as falhas muitas vezes acontecem devido a condições sistêmicas específicas, que podem ter sido originadas por uma grande combinação de processos, infraestrutura e fatores humanos.

Nesse sentido, o Gartner indica que a melhor estratégia para lidar com essas situações é adotar uma abordagem positiva, onde uma interrupção serve como uma oportunidade de aprendizado capaz de resolver uma lacuna entre o modo como as coisas são e o modo como elas devem ser. Ao fazer isso, as organizações podem configurar suas operações para saber mais sobre o que deu errado no passado e o que mudar para que isso não aconteça novamente no futuro. Além disso, a realização de uma revisão pós-incidente específica pode ajudá-lo a compreender os vários fatores que contribuem para o incidente.

Implantar equipes distribuídas geograficamente

Manter a atividade e a disponibilidade das redes 24 horas por dia, sete dias por semana é uma das principais expectativas para o ambiente de negócios na Era Digital. O problema é que as infraestruturas de TI não estão, necessariamente, acompanhando essa demanda. Não por acaso, o Gartner prevê que, nos próximos cinco anos, haverá uma grande interrupção na Internet que afetará mais de 100 milhões de usuários por mais de 24 horas. Para ajudar a preparar e mitigar a possibilidade de uma interrupção importante, a presença da equipe de operações e infraestrutura de TI é essencial. Dessa forma, os líderes de I&O precisam ponderar a necessidade de terem funcionários representando sua empresa em diferentes fusos horários, com equipes locais espalhadas por todas as diferentes regiões da operação.

Criar uma cultura que priorize a resiliência sobre a correção, enfatizando a melhoria contínua do processo é o caminho para maximizar a continuidade da entrega e minimizar o tempo de inatividade das companhias no ambiente digital. Ao focar e priorizar opções para aumentar o tempo de atividade e diminuir o tempo para detectar e automatizar as respostas de solução, sua organização estará no caminho para prevenir possíveis problemas e fazer bons negócios.

Pesquisas adicionais sobre o tema serão apresentadas durante a Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações & Estratégia de Cloud, que acontece nos dias 24 e 25 de abril, em São Paulo. No evento, analistas brasileiros e internacionais vão apresentar conexões vitais entre tecnologias, gestão e cultura com um foco especial na liderança de cada função de Infraestrutura e Operações (I&O).

Interessados em participar do evento devem contatar o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800 774 1440, ou pelo site www.gartner.com/pt-br/conferences/la/infrastructure-operations-cloud-brazil.

Gartner alerta que organizações devem focar em novo modo de pensar a segurança para a Era Digital

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, afirma que a segurança é parte integral da equação de negócios digitais quando se trata de tecnologias como serviços em Nuvem e Big Data, dispositivos móveis e de TI, DevOps ágeis e Blockchain. Segundo o Gartner, experts em segurança precisam adaptar técnicas de segurança para a Era Digital.

“A verdade é que nós tínhamos uma visão de mundo binária que não existe mais. Branco ou preto, bom ou mau, a resposta é que não temos certeza em qualquer extremo. Pode ser qualquer um dos dois. Pode ser os dois”, diz Claudio Neiva, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner, durante o keynote de abertura da Conferência Gartner Segurança & Gestão de Risco 2017, em São Paulo. “Ambiguidade é a nova realidade. Adotem o cinza. A realidade é que os líderes de negócios estão se movendo a toda velocidade para frente, com ou sem você”, afirma Neiva.

Um novo modo de pensar sobre segurança e risco

Em 2014, o Gartner introduziu a Arquitetura de Segurança Adaptativa – Balanceando as capacidades de bloqueio e prevenção com uma equivalente e crítica capacidade de detecção e resposta quando o inevitável acontece.

Hoje, os especialistas em segurança devem focar em aplicar uma nova abordagem: CARTA – Continuous Adaptive Risk and Trust Assessment (Análise Contínua e Adaptável de Riscos e Confiança). A chave é aplicar a filosofia em todo o negócio, do DevOps até os parceiros externos.

“Nós precisamos nos concentrar em aplicar a CARTA não apenas a produtos já implementados, mas para novos serviços e recursos conforme eles são construídos”, diz Augusto Barros, Diretor de Pesquisas do Gartner.

Executar, construir e planejar

Os analistas do Gartner dizem que organizações devem aplicar a CARTA em todas as três fases da administração de riscos e segurança da informação: Executar – proteção contra ameaças e acessos durante execução; Construir – desenvolvimento e parceiros do ecossistema; e Planejar – governança de segurança adaptativa e avaliação de novos fornecedores.

Executar a CARTA

Quando se trata da CARTA, Data Analytics precisa ser uma parte padrão do arsenal. As companhias podem, apesar das grandes expectativas envolvendo Big Data, obter real valor com o aprendizado de máquina.

“A detecção de anomalias e o aprendizado de máquinas estão nos ajudando a achar os vilões que de outra forma passariam pelos nossos sistemas de prevenção baseado em regras”, comenta Felix Gaehtgens, Diretor de Pesquisas do Gartner. “É por isso que Analytics é tão relevante para operações de segurança hoje. O processo é bom para achar os vilões nos dados que outros sistemas não acharam.”
O tempo médio para detectar uma falha nas Américas é de 99 dias e o custo médio é de US$ 4 milhões. O Analytics vai acelerar a detecção e a automação vai agilizar o tempo de resposta, atuando como uma força multiplicadora para o time sem adicionar pessoas. O Analytics e a automação asseguram que as empresas foquem seus limitados recursos em eventos com maiores riscos de forma confiante.

Para a proteção de acesso no mundo digital, as companhias devem ser monitoradas constantemente. Fazer apenas uma autenticação é fundamentalmente falho quando a ameaça passa do portão. Por exemplo, se um usuário está baixando dados confidenciais para um dispositivo, a informação deve ser encriptada com administração de direitos digitais antes de ser baixada e então o usuário deve ser monitorado. Se ele começar a fazer muitos downloads, deve se restringir o acesso ou ativar um alerta para investigação.

Construir a CARTA

No que se refere ao DevOps, a segurança precisa começar cedo no desenvolvimento e identificar questões que representem um risco à organização antes de serem enviados para produção. Aplicações modernas não são desenvolvidas, mas montadas a partir de bibliotecas e componentes. É preciso procurar nas bibliotecas por vulnerabilidades conhecidas e eliminar a maior parte do risco. Para códigos proprietários, se deve balancear a necessidade de velocidade com a necessidade de segurança.

Parceiros de ecossistema adicionam novas capacidades de negócio e novas complexidades de segurança. “A administração de riscos não é mais domínio de uma única empresa e deve ser considerada em nível de ecossistema”, diz Gaehtgens. “O sucesso do meu produto ou serviço agora está diretamente ligado a outros. Meu risco é o risco deles. O risco deles é o meu risco. Estamos todos na mesma.”

Com o modo de pensar a CARTA, as organizações devem continuamente avaliar o risco do ecossistema e se adaptar conforme necessário. Os parceiros também devem analisar a sua companhia, infraestrutura, controle e reputação digital da marca. Para ecossistemas com um provedor dominante, a única forma de uma companhia entrar no ecossistema é depois de uma avaliação de riscos e segurança. Se a sua companhia for muito insegura, a organização pode ser removida do ecossistema. O monitoramento contínuo e a avaliação de riscos e reputação de grandes parceiros digitais é essencial.

Planejar a CARTA

A mudança para o modo de pensar CARTA mudará como os fornecedores são avaliados daqui pra frente. Eles devem oferecer cinco critérios: APIs abertos, suporte para práticas modernas de TI como Nuvem e containers, suporte a políticas adaptativas como ser capaz de mudar posturas em relação à segurança baseadas em contexto, e um foco em prevenção de ameaças e sistemas de detecção que possam proteger de uma grande gama de ameaças de forma precisa e eficiente, usando métodos analíticos diversos.

“A abordagem estratégica CARTA permite que digamos sim mais frequentemente. Com uma abordagem binária de permitir/negar não temos outra escolha além de ser conservadores e dizer não”, diz Neiva. “Com a CARTA, nós podemos dizer sim, e nós monitoraremos e avaliaremos para ter certeza, nos permitindo alcançar oportunidades que antes eram consideradas muito arriscadas.”

Sobre a Conferência Gartner Segurança & Gestão de Risco 2017

A Conferência Gartner Segurança & Gestão de Risco 2017 apresentará conteúdos com foco em segurança de TI, gestão de risco, compliance e gestão de continuidade de negócios, além de analisar o papel dos profissionais de segurança da informação (CISO – Chief Information Security Officers). Cada programa oferece uma agenda diferenciada, incluindo sessões com analistas, palestras, mesas-redondas, estudos de caso, workshops e muito mais. Informações adicionais estão disponíveis no site:
http://www.gartner.com/events/la/security.

Gartner orienta sobre a criação de organizações dinâmicas

CIOs devem focar em criar uma equipe ideal de negócios digitais

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, afirma que os CIOs (Chief Information Officers) precisam ficar atentos para a criação de equipes de negócios digitais com a combinação de habilidades, uma vez que a convergência entre negócios, tecnologia e informação continua a gerar ótimas oportunidades. O tema será debatido durante o Gartner Symposium/ITxpo 2016, que acontece entre 24 e 27 de outubro, no Sheraton São Paulo WTC Hotel (SP).

Uma “equipe ideal” auxilia os CIOs na identificação das pessoas adequadas para tornar as ambições digitais reais. “Uma equipe ideal é um grupo de pessoas com a combinação perfeita de talentos para um propósito determinado. Nesse caso, os negócios digitais são o objetivo, com a criação de novos projetos que unam os mundos físico e digital para gerar novos rendimentos e serviços, e a equipe ideal é como o CIO chegará o mais próximo possível da combinação correta de talentos para atender a essa meta”, explica Diane Morello, Vice-Presidente, Analista Emérita do Gartner.

Versatilidade é primordial

Focados nas capacidades e modelos de negócios disruptivos, os negócios digitais vão além da melhoria de processos e inovação. Eles permitem que as empresas evoluam do uso de tecnologia para automação para a exploração da tecnologia e da informação como geradores de rendimento, criadores de mercado e descobridores de clientes. Ter a equipe certa é fundamental para o sucesso.

Segundo o Gartner, os CIOs e líderes de negócios digitais devem seguir cinco etapas para construir e aprimorar suas equipes ideais nesse segmento. São elas: estruturar os objetivos da equipe ideal de negócios digitais, escolher a combinação certa de pessoas, alinhar os membros do time para as quatro fases de atividades de negócios digitais (descobrir, projetar, conduzir e ampliar), desenvolver um portfólio de capacidades para cada fase da atividade e reunir os comportamentos certos para motivar a equipe ideal.

“A versatilidade é primordial. As pessoas que adotam essa postura tendem a ser desbravadoras de fronteiras e intérpretes, conectando diversas especialidades e comunidades de interesse, além de frequentemente transmitirem, reconciliarem e solucionarem diferentes pontos de vista”, diz a analista. Segundo o Gartner, esse perfil de profissional se coloca no lugar 外汇交易平台 dos outros e tem habilidades, e até mesmo fluência, para entender de negócios, informação, tecnologia e outros temas. “CIOs e líderes de negócios digitais devem recrutá-los para suas equipes ideais sem medo”, afirma Morello, destacando que profissionais versáteis são até três vezes mais necessários para os negócios digitais do que para os convencionais.

Até 16 de setembro, as inscrições para o Gartner Symposium/ITxpo 2016 estão com desconto de R$ 675,00. Há preços diferenciados para profissionais do setor público e descontos para grupos. Interessados devem contatar o Gartner pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones (11) 5632-3109 e 0800-744-1440 ou pelo site: gartner.com/br/symposium.

Gartner Symposium/ITxpo 2016

Data: de 24 a 27 de outubro de 2016 (Segunda a Quinta-feira)
Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Av. das Nações Unidas, nº 12.559, São Paulo/SP
Site:

Gartner alerta sobre como lidar com ataques cibernéticos

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, alerta as organizações para o surgimento de um número cada vez maior de ataques cibernéticos. Os analistas indicam que, além do aumento de volume e de sofisticação dos ataques com o passar do tempo, a maioria das empresas ainda não age com a rapidez necessária para identificá-los. Esse tema será abordado durante a Conferência Gartner Segurança e Gestão de Riscos, que acontece nos dias 2 e 3 de agosto, em São Paulo.

“As empresas raramente percebem que seus ambientes de TI foram atacados até que seja tarde demais. Nesse momento, a infraestrutura de TI da companhia já estará infectada com malwares (programas invasores), ficando suscetível a pedidos de resgate pelos dados ou outros ataques destrutivos que podem resultar na perda ou no comprometimento de informações. No período entre o ataque inicial e sua detecção, os invasores podem prejudicar muitos sistemas e aplicações, trabalhando sistematicamente para elevar seus privilégios no ambiente e afetando, destruindo ou criptografando dados”, explica Roberta Witty, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner.

Para garantir uma contenção efetiva de riscos em toda a companhia, os líderes de segurança cibernética e de gestão de continuidade do negócio (do inglês, Business Continuity Management – BCM) devem alinhar seus processos. Isso exige duas etapas distintas: Planejamento, quando serão identificadas as melhores práticas a serem aplicadas antes da ocorrência de um ataque; e Resposta e Recuperação, quando serão definidas as melhores práticas a serem adotadas durante uma crise.

Até mesmo as organizações que possuem um plano para incidentes cibernéticos consideram muitas vezes o problema como um evento metódico, que deve seguir um caminho processual bem definido. Os autores desses planos geralmente partem do princípio de que o invasor terá um modo de ataque e que o incidente será relativamente simples, de fácil resolução, algo similar a uma falha tecnológica corriqueira.
“A realidade é bem diferente. As empresas terão de lidar não apenas com falhas tecnológicas, embora essas possam ser um dos métodos utilizados contra a companhia, mas com indivíduos ou grupos motivados a atacar uma organização e que podem criar uma situação turbulenta, caótica e de longo prazo para o negócio”, afirma Rob McMillan, Diretor de Pesquisa do Gartner.

Ataques cibernéticos devem ser vistos como crises de grande escala nas operações de um negócio e, portanto, precisam ser tratados do ponto de vista da continuidade das operações da empresa. Integrar as melhores práticas de BCM ao processo existente de resposta a incidentes de segurança pode otimizar a capacidade da companhia de controlar os danos de um ataque, acelerar o processo de retomada das operações e, assim, reduzir alguns dos impactos financeiros causados por um ataque cibernético.

Segundo o Gartner, a análise de impactos comerciais (do inglês, Business Impact Analysis – BIA) pode identificar rapidamente se os serviços de TI, locais de operação e parceiros/fornecedores/terceiros afetados são cruciais para a empresa. Já os processos e automatizações de comunicação de crises, configurados para transtornos tradicionais de BCM, podem ser aprimorados para um ataque cibernético.

Os planos de recuperação e retomada dos negócios podem ser utilizados caso os serviços de TI sejam interrompidos pelo ataque enquanto tais sistemas são recuperados para que voltem a operar. Os procedimentos de recuperação de desastres de TI (do inglês, disater recovery – DR) auxiliam a reiniciar os sistemas e a restaurar os dados na sequência correta, e a automação da gestão de crises ajuda a administrar a resposta e recuperação geral da empresa após um ataque cibernético.

O alinhamento entre BCM e a equipe de resposta a incidentes de segurança (do inglês, Computer Security Incident Response Team – CSIRT) garante que haja cooperação para o desenvolvimento proativo da equipe e a representação multiequipe em toda a companhia. Isso também significa que ambos os fatores estão envolvidos em todas as etapas do ciclo de um incidente, como planejamento, orçamento, desenvolvimento de estratégia, práticas, resposta a eventos, gestão de programa e governança.

Conferência Gartner Segurança e Gestão de Riscos 2016

Data: 2 e 3 de agosto de 2016 (Terça e Quarta-feira)
Site: Gartner.com/br/security.

Gartner recomenda seis práticas para análise em tempo real

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, reforça que a análise de dados em tempo real permite decisões mais rápidas, precisas e eficazes em comparação com decisões convencionais feitas com dados obsoletos ou sem dados. Análises em tempo real exigem um processo de decisão estruturado com uma lógica pré-definida, e os dados devem estar disponíveis imediatamente. A obtenção de dados é muitas vezes o fator limitante na velocidade de tomada de decisão.

Esse será um dos temas que serão apresentados durante a Conferência Business Intelligence, Analytics & Information Management 2016, que acontecerá nos dias 10 e 11 de maio (Terça e Quarta-feira), no Sheraton São Paulo WTC Hotel, em São Paulo. Para o Vice-Presidente e Analista Emérito do Gartner, W. Roy Schulte, o conceito de análise em tempo real historicamente foi aplicado principalmente às decisões operacionais. No entanto, na atualidade, com novas ferramentas analíticas e técnicas de baixo tempo de reação, a qualidade das decisões táticas e estratégicas também pode ser melhorada.

“Análises em tempo real podem permitir que as equipes de ciência de dados executem modelagens, simulações e otimizações com base em um conjunto completo de dados da transação e não apenas amostras”, afirma o analista do Gartner. “Os usuários finais podem aproveitar recursos analíticos cada vez mais sofisticados por meio de análises em tempo real incorporadas em ferramentas de descoberta de dados e em aplicações, sem que tenha tempo de espera proibitivo para processamento ou necessidade de intervenção de desenvolvedores.”

O analista do Gartner compartilha as seis melhores práticas para a tomada de decisões rápidas e em tempo real, sem abrir mão da qualidade das decisões:

Torne decisões operacionais lentas em decisões em tempo real – As decisões operacionais são, em sua maioria, estruturadas e repetidas com frequência. Decisões operacionais que mudam do modo lento para o tempo quase real podem exigir novas ferramentas de software, novos tipos de dados, novas opções de design de processos de negócios e, também, outras mudanças. O ponto de análise em tempo real é para responder às condições como estão no momento, não para processar dados antigos ou do mês anterior.

Acompanhe os resultados das decisões em tempo real e modifique regras e análises frequentemente – A maioria das decisões operacionais em tempo real são repetíveis. Por exemplo, um modelo de pontuação usado para aprovar transações de cartão de crédito pode ser desenvolvido uma vez em dados de históricos, e então ser usado para avaliar transações de cartão de crédito em tempo real por dias ou semanas. É importante monitorar os resultados para garantir que os modelos funcionem corretamente e, se necessário, modificar as regras e análises com frequência para obter os resultados corretos para a tomada de decisão rápida.

Use um sistema de “grades de proteção“ e supervisão humana para evitar erros em tempo real – “Os computadores não têm senso comum, então eles vão cometer erros – às vezes importantes e graves. A lógica do sistema deve ser utilizada para verificar outros sistemas, e as pessoas devem monitorá-los periodicamente”, afirma Schulte. Um botão “pare” deve ser incorporado, para que as pessoas possam fazer algo rapidamente quando for detectado um problema. Um sistema de proteção deve ser posto em prática, às vezes sob a forma de “disjuntores” que interrompam o processamento quando surge um problema.

Use a inteligência contínua para alertar sobre a situação – Sistemas contínuos de inteligência (monitoramento) operam todos os dias, acompanhando os eventos à medida que ocorrem, até que detectem uma ameaça ou uma oportunidade que requer uma resposta por uma pessoa ou sistema. O sistema de forma proativa envia um alerta ou outra notificação a uma pessoa via e-mail, pop-up ou outro mecanismo; ou ele dispara uma resposta automática.

Forneça vários modos de exibição personalizados, porém um quadro operacional comum – Use essa inteligência contínua para fornecer um quadro operacional comum em toda a empresa. Cada pessoa envolvida em uma situação pode ter uma visão específica para seu papel dentro da organização, porém, fornecer análises em tempo real para toda a organização garante que todos os envolvidos tenham o mesmo entendimento de uma situação.

Trabalhe a gestão de decisões como uma disciplina comparável à gestão de dados e à gestão dos processos de negócios – A “Gestão de Decisões” é o desenvolvimento da concepção e construção dos sistemas que tomem decisões, em que “decisão” significa determinar um curso de ação. Sistemas de tomada de decisão são implementados utilizando mecanismos de regras, ferramentas analíticas de software, programas 3GL ou mesmo tomadores de decisão humanos – pessoas são “sistemas de tomada de decisões” quando decidem seguindo conjuntos de regras totalmente definidos e estruturados.

Veja aqui pesquisa sobre dados e Analytics e o relatório sobre como levar sua estratégia de Analytics da visão para a realidade. Acompanhe as notícias, fotos e vídeos da Conferência Gartner Business Intelligence, Analytics & Information Management, nas mídias sociais usando #GartnerBI.

Conferência Business Intelligence, Analytics & Information Management

Data: 10 e 11 de maio de 2016 (Terça e Quarta-feira)
Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Av. das Nações Unidas, nº 12.559
Site do evento: www.gartner.com/br/bi

Gartner anuncia as principais previsões para organizações de TI e usuários

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, revela as principais previsões estratégicas para 2016 e para os próximos anos. As expectativas estão relacionadas ao futuro digital em um mundo algorítmico voltado para máquinas inteligentes, em que pessoas e máquinas devem conviver em relações harmoniosas.

“A tendência ‘robô’, a praticidade emergente da inteligência artificial e o fato de empresas e consumidores já aceitarem o avanço dessas tecnologias motivam a mudança. As previsões começam a nos separar da mera noção de adoção da tecnologia e nos envolvem mais profundamente em assuntos relacionados ao que significa ser humano em um mundo digital”, afirma Álvaro Mello, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner.

Os analistas do Gartner apresentaram o resultado da pesquisa durante o Symposium/ITxpo 2015, em São Paulo. Neste ano, três tendências são destaque entre as principais previsões: a relação entre máquinas e pessoas, a “inteligência” aplicada ao ambiente de trabalho e a evolução do Nexo das Forças, criando 10 estimativas distintas, mais relacionadas do que parecem:

1) Até 2018, 20% do conteúdo de negócios será feito por máquinas – Tecnologias com capacidade de integrar e fornecer informações de forma proativa por meio de plataformas de composição automatizadas estão transferindo a produção de negócios, antes feita por humanos, para as máquinas. Dados e informações analíticas podem ser transformados em uma linguagem escrita natural, utilizando as ferramentas emergentes. Conteúdos de negócios, como relatórios de acionistas, relatórios de mercado, comunicados de imprensa, artigos e documentos, podem usar ferramentas de escrita automatizada.

2) Até 2018, seis bilhões de coisas conectadas precisarão de suporte – Na era dos negócios digitais, quando os limites físicos e digitais tornam-se cada vez mais indefinidos, as empresas precisarão visualizar equipamentos como clientes de serviços – e tratá-los como tal. Os mecanismos precisarão ser desenvolvidos para responder a números cada vez mais altos de pedidos de suporte enviados diretamente por objetos. As estratégias também deverão ser desenvolvidas para que respondam diferentemente à solução de problemas e à comunicação com um cliente tradicionalmente humano. Atender ao chamado de equipamentos criará indústrias de serviços completamente novas, com soluções que surgirão para melhorar a eficiência de muitos tipos de negócios.

3) Até 2020, agentes de software autônomos e fora do controle humano participarão de 5% de todas as transações econômicas – Agentes orientados por algoritmos já estão participando da nossa economia. No entanto, sendo automatizados, eles não são completamente autônomos, pois estão diretamente conectados a uma coleção robusta de mecanismos controlados por humanos — nos domínios de nossos sistemas corporativos, judiciários, econômicos e fiduciários. Novos agentes de software autônomos possuirão valor próprio, como apoio fundamental de um novo paradigma financeiro que o Gartner chama de economia programável. Essa economia possui potencial para interferir na atual indústria de serviços financeiros. Veremos algoritmos (frequentemente desenvolvidos de forma transparente, aberta e liberados em cadeia) capazes de realizar operações bancárias, de seguros, mercados, trocas e financiamento colaborativo — e também de operar virtualmente todos os outros tipos de instrumentos financeiros.

4) Até 2018, mais de 3 milhões de trabalhadores no mundo serão supervisionados por um “chefe-robô” – Chefes-robôs tomarão cada vez mais decisões que anteriormente só poderiam ser realizadas por gerentes humanos. As obrigações dos supervisores estão se tornando conquistas de monitoramento de trabalhador por medidas de desempenho, que são diretamente ligadas ao rendimento e à avaliação do cliente. Tais medidas podem ser consumidas de forma mais eficiente e ágil por máquinas inteligentes de gestão, configuradas para aprender com base em decisões de recrutamento e incentivos.

5) Até o final de 2018, 20% dos prédios inteligentes terão sofrido vandalismo digital – As falhas de segurança resultarão em cada vez mais prédios inteligentes vulneráveis ao ataque. Com façanhas que vão de desfigurar a sinalização digital a deixar prédios inteiros na total escuridão por tempo prolongado, o vandalismo digital é um inconveniente, e não uma ameaça. Existem, no entanto, efeitos econômicos, de saúde e de segurança. A gravidade dessas consequências depende do alvo. Os componentes de um prédio inteligente não podem ser considerados independentes, mas devem ser vistos como parte de um processo de segurança organizacional maior. Os produtos devem ser criados para ofertar níveis aceitáveis de proteção e ganchos para a integração com sistemas de monitoramento e gerenciamento de segurança.

6) Até 2018, 45% das empresas de rápido crescimento terão mais máquinas inteligentes do que funcionários – O Gartner acredita que o grupo inicial de empresas que alavancará as tecnologias de máquinas inteligentes mais rapidamente e efetivamente será o de startups e outras novas empresas. A velocidade, a economia, o aumento de produtividade e a capacidade de ampliar a tecnologia inteligente para tarefas específicas oferecem vantagens determinantes para recrutamento, contratação, treinamento e crescimento de demanda por trabalho humano. Alguns possíveis exemplos são supermercados completamente automatizados ou empresas de segurança com serviços de vigilância realizados somente por drones. As empresas com “antigos guardas”, com grandes quantidades de tecnologias e processos, não serão necessariamente as primeiras a mudar, mas as organizações mais modernas serão as primeiras a reconhecer a paridade em agilidade ou custo.

7) Até o final de 2018, o assistente digital dos clientes reconhecerá indivíduos pelo rosto e pela voz nos canais e parceiros – O último passo para as experiências excepcionais e multicanais de clientes será um engajamento mútuo ininterrupto com consumidores, com a reprodução de conversas humanas com escuta e fala, senso de histórico, contexto atual de tempo e momento, tom e a capacidade de responder, acrescentar e continuar um pensamento ou propósito em várias ocasiões e locais. Embora as tecnologias de reconhecimento facial e de voz sejam amplamente desiguais em vários canais, os clientes estão dispostos a adotar essas tecnologias e técnicas para ajudá-los a filtrar quantidades cada vez maiores de informações, escolhas e decisões de compra. Isso demonstra uma demanda emergente para empresas que empregam assistentes digitais a clientes para organizar essas técnicas e ajudar a “conectar” conversas contínuas entre a empresa e o consumidor.
8) Até 2018, dois milhões de funcionários deverão utilizar dispositivos de rastreamento de saúde e preparo físico como recurso de trabalho – A saúde e o preparo físico dos funcionários com cargos de perigo ou fisicamente exigentes serão cada vez mais monitorados por empregadores via wearables (tecnologias para vestir). Agentes que prestam socorro, como policiais, bombeiros e paramédicos provavelmente integrarão o maior grupo de funcionários com saúde ou preparo físico monitorados por dispositivos. A principal razão para utilizá-los é a própria segurança. A frequência cardíaca, a respiração e os possíveis níveis de estresse podem ser inspecionados remotamente e a assistência poderá ser enviada imediatamente, se necessário. Além dos socorristas, uma parte dos funcionários de outros cargos cruciais será monitorada, incluindo atletas profissionais, líderes políticos, pilotos de aeronaves, funcionários industriais e em campos remotos.

9) Até 2020, agentes inteligentes facilitarão 40% das interações móveis, e a era pós-aplicativos será dominante – Tecnologias de agentes inteligentes em forma de Assistentes Pessoais Virtuais (VPAs) e outros agentes irão monitorar conteúdo e comportamento dos usuários com redes neurais armazenadas na Nuvem, criando e mantendo modelos de dados dos quais a tecnologia tirará conclusões sobre pessoas, conteúdos e contextos. Com base nesses esforços de coleta de informação e criação de modelos, os VPAs poderão prever as necessidades dos usuários de agir de forma autônoma.

10) Até 2020, 95% das falhas de segurança na Nuvem serão de responsabilidade do usuário – Preocupações de segurança continuam sendo o motivo mais comum para evitar o uso de serviços públicos em Nuvem. No entanto, somente uma pequena porcentagem dos incidentes de segurança ocorre por vulnerabilidades do provedor. Isso não significa que são necessariamente seguras todas as ações realizadas pelas organizações na Nuvem. Os componentes sob controle do indivíduo podem criar um computador em Nuvem altamente eficiente para os usuários inexperientes terem um tipo de vantagem em práticas não muito seguras, o que pode facilmente resultar em uma segurança difundida ou em falhas de cumprimento. O crescente reconhecimento da responsabilidade da empresa quanto ao uso apropriado da Nuvem pública é refletido na expansão do mercado de ferramentas de controle. Até 2018, 50% das empresas com mais de mil usuários utilizarão produtos de agentes de segurança para monitorar e controlar o uso de Software como Serviço e outras formas de Nuvem pública, refletindo o reconhecimento de que, embora geralmente seja seguro, o uso de Nuvens públicas requer esforço explícito dos clientes.
O Gartner Symposium/ITxpo 2015 oferece aos CIOs e executivos estratégicos de TI um direcionamento estratégico sobre como dominar as mudanças tecnológicas neste momento decisivo, no qual é preciso adaptar-se à nova onda digital que arrebata o mercado. Mais informações estão disponíveis no site: gartner.com/br/symposium.