Da gestão à transação: empresas de tecnologia se transformam em ‘fintechs’ para diversificar negócios

Principal exemplo, Linx expandiu sua atuação com o lançamento de uma marca de meios de pagamento, um serviço de adquirência e um aplicativo para PMEs em menos de um ano

O mundo das fintechs atrai cada vez mais clientes, e esse sucesso tem despertado a atenção até mesmo de empresas que não tinham meios de pagamento como principal negócio de sua operação. De acordo com um levantamento do Citibank, de 2010 a 2015 houve um crescimento de mais de 70% de investimento global destinado às fintechs. No Brasil, essas empresas devem gerar US$ 24 bilhões na próxima década, segundo o Goldman Sachs.

Para surfar nessa onda, empresas como a provedora de tecnologia para o varejo Linx decidiram aproveitar os conhecimentos e dados já existentes para oferecer também soluções financeiras. Assim, em julho, a empresa deu seu primeiro passo nesse sentido com o lançamento de uma nova unidade de negócios chamada ‘Linx Pay Hub’.

A plataforma de serviços financeiros promete conectar transações desde o pagamento, conciliação e gestão até a antecipação de recebíveis e parcelamentos. A Linx Pay Hub anunciou sua primeira solução em outubro de 2018, batizada de ‘Linx Pay’. O movimento foi tão significativo que resultou em uma valorização instantânea de 40% nas ações da empresa, o que mostra a confiança dos investidores no sucesso das novas tecnologias.

Essa espécie de ‘adquirência’ surgiu com o objetivo de garantir mais flexibilidade e precisão aos varejistas, que além de cobrar pelos seus serviços e produtos em todas as bandeiras de cartões também poderão acompanhar o valor das vendas em tempo real, antecipar recebíveis e dividir automaticamente o pagamento entre fornecedores, colaboradores, instituições bancárias etc.

“Com a Linx Pay, o varejista passa a ter um ecossistema completo de soluções na palma da mão, além do acesso e atendimento de diferentes produtos em um único contato, sem abrir mão da segurança”, explica Denis Piovezan, diretor executivo da Linx Pay Hub.

Primeiro passo em direção às PMEs

A entrada da Linx no segmento de meios de pagamento levou a gigante de tecnologia para o varejo a explorar um mercado que antes não fazia parte de seu dia a dia: microempreendedores, pequenas e médias empresas. Também no ano passado, a companhia anunciou o Shopbit, um aplicativo para dispositivos Android desenvolvido para profissionalizar a gestão de vendas e estoques em empreendimentos menores. Com ele, o lojista pode controlar o caixa, realizar vendas direto do celular, cadastrar produtos por código, cor, tamanho e outras características, além de ser leve e possuir um design moderno e intuitivo.

Futuro

Atualmente, a empresa é responsável por atender a uma fatia de 41,3% do varejo, segundo a consultoria IDC. Entre os quase 50 mil clientes no Brasil, estão marcas dos segmentos de moda, food service, postos de combustíveis, automotivo, big retail. Para Piovezan, “toda essa movimentação é um grande sinal de que a Linx está se transformando em alta velocidade. Temos muito mais novidades por vir”.