Grupo DB1 anuncia ERP para e-commerces

O EIVE é um ERP especializado em comércio eletrônico, que entrega velocidade, estabilidade e performance e mostra quanto sobrou financeiramente de cada venda. O EIVE conta com 19 anos de experiência do Grupo DB1 no ecossistema de e-commerce e tem como missão ajudar os sellers a atingirem alta performance aliada aos resultados de negócio. O nome foi inspirado na junção das iniciais das palavras e-commerce, integração, velocidade e estabilidade e em Maori significa extraordinariamente.

O EIVE permite operações com alto volume de vendas e integração com mais de 20 marketplaces, plataformas de e-commerce, Correios e outras transportadoras. Com processos robustos e foco em gestão, o sistema automatiza os processos e evita a necessidade de controles paralelos, minimizando erros e aumentando a segurança da informação. Além disso, já chega ao mercado com integração nativa com o ANYMARKET, plataforma de vendas em marketplaces com mais de 1.000 clientes conectados a mais de 20 marketplaces, e o KONCILIA, o primeiro software de conciliação de pagamento dos marketplaces do mercado.

De acordo com Alison Garcia Mucio, diretor de unidade da DB1 Gestão Empresarial, uma empresa do Grupo DB1, “percebemos o mercado de e-commerce muito carente de uma solução de ERP para empresas de médio porte e apresentamos este recurso robusto e estável para clientes que estão saindo do estágio inicial de vendas online e precisam de uma ferramenta que atenda seu crescimento”, explica.

Atualmente o EIVE já conta com um portfólio com 65 clientes, entre eles Mania Virtual, MegaStore, Mirão, LT2 Shop, All Nations, Oderço, Dicomp, Autoequip, Cofebral, que são da área de e-commerce, além de outros diversos projetos em implantação.

Além do Know how do grupo DB1 com o segmento de e-commerce o EIVE se diferencia no mercado pelo quesito rentabilidade. “Em e-commerce é muito comum se falar de crescimento em faturamento e número de pedidos. Entendemos que é preciso tomar cuidado para essa não ser uma métrica de ego. Mais importante do que isso é a rentabilidade e o EIVE vem para ajudar os sellers a crescerem com resultados sustentáveis”, explica Alison.

Paraná é o quarto estado menos atacado por fraudadores no e-commerce, aponta estudo da ClearSale

A ClearSale, empresa líder em soluções antifraude para o e-commerce no Brasil, divulga o Mapa da Fraude 2019, estudo anual que contempla informações sobre tentativas de fraude no e-commerce brasileiro. De acordo com o estudo, em 2018, a cada R$ 100 gastos em lojas online, R$ 2,02 sofreram tentativas de fraude no Paraná. A média do Brasil é de R$3,53 a cada R$100, o que representa um aumento de quase 9% em relação ao ano anterior.

Em 2018, as categorias de produtos que mais sofreram tentativas de fraude foram celulares, games, bebidas, eletrônicos e informática. Em 2017, os maiores índices ocorreram nos mesmos segmentos, porém, desta vez, com um aumento de 9,61 % no setor de celulares, 4,66 % no setor de eletrônicos e 4,29 % em produtos de informática. “São setores mais visados nos últimos anos, possivelmente pela revenda relativamente fácil em mercados paralelos. É mais fácil repassar um celular do que uma geladeira, por exemplo”, diz Omar Jarouche, diretor de Marketing, Planejamento Comercial e Soluções da ClearSale.

De acordo com o estudo, um fator que também se repetiu nos últimos dois anos foram as regiões onde essas fraudes ocorreram. Em 2018, as mais atacadas foram Norte, Centro-Oeste e Nordeste. Na região Norte – que figura no topo do ranking – a cada R$ 100 em compras no e-commerce, R$ 5,43 foram tentativas de fraude, um percentual 54 % maior que a média nacional.

“Não há uma razão clara que justifique as tentativas de fraude mais recorrentes nestas regiões. No entanto, as boas práticas – como uso de senhas fortes, por exemplo – servem para diminuir risco em qualquer lugar ou segmento. As fraudes podem acontecer em todos os lugares, e ter essa consciência é o primeiro passo para não ser surpreendido”, diz Jarouche.

Jarouche afirma que o consumidor deve evitar a compra em sites suspeitos, e sempre que possível, realizar suas transações online via cartão de crédito. “Ao contrário do que muitos acreditam, a compra pelo cartão de crédito é mais segura do que via boleto ou transferência bancária. Caso uma fraude ocorra, o consumidor que realiza a compra via cartão consegue contestar a cobrança junto ao seu banco. Já as compras via boleto não são reembolsáveis. Uma vez que o dinheiro é depositado, o estorno torna-se mais complicado” finaliza.

Vale lembrar que, apesar do aumento das tentativas de fraude no país, o e-commerce brasileiro cresceu 31 % em 2018, segundo estudo realizado pela ABComm.

Como se prevenir contra fraudes

Pesquise a reputação da loja antes de realizar a compra. O consumidor pode checar a lista do Procon de sites que devem ser evitados ou sites que avaliam as lojas. Caso não existam avaliações da empresa na internet, o recomendado é evitar efetuar a compra e buscar um outro site de confiança;
Averigue se o site tem a sigla “https” no endereço da Web ou um ícone de cadeado na parte inferior do navegador;
Suspeite se o desconto for muito maior no boleto. É comum que sites falsos tenham preços muito mais baixos para pagamento via boleto.
Procure dados oficiais da empresa como CNPJ, endereço físico e contato. Sites de e-commerce falsos podem não disponibilizar essas informações;

Para saber mais sobre o Mapa da Fraude 2019 e sobre a Clearsale, visite br.clear.sale/

ANYMARKET anuncia inovações no Fórum E-Commerce Brasil

Enquanto a ABCOMM (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) estima que o e-commerce brasileiro pode faturar cerca de R$ 38 bilhões no segundo semestre deste ano, o cenário para os marketplaces fica cada vez mais competitivo e inovação é palavra de ordem para se diferenciar da concorrência.

Neste caso, inovar significa oferecer uma operação sem erros, como faz o ANYMARKET, o hub para integração com marketplaces, criado e desenvolvido pela DB1 Global Software. Reconhecido por reunir características como estabilidade, segurança, robustez e estrutura, “o ANYMARKET tem a honra e a grande responsabilidade ter no portfólio grandes players do mercado como Cultura, Saraiva, Nike, Netshoes, L’oréal, Technos, LePostiche, entre outros”, comenta Ilson Rezende, CEO do ANYMARKET e presidente fundador da DB1 Global Software. “Mas parte desta responsabilidade significa inovar para entregar sempre o melhor. Assim vamos, mais uma vez, levar novidades ao E-commerce Brasil”, complementa.

Uma delas é a implementação dos SBOTs. Exclusivos do ANYMARKET, os SBOTS são softwares autônomos que corrigem falhas inesperadas de integração causadas pelos marketplaces, ERPs, plataformas de e-commerce e até mesmo erros do usuário.

Outra funcionalidade apresentada é o Smart Sync, atualização automática por prioridade dos itens mais críticos para a saúde do e-commerce, como quantidade de estoque, preço e anúncios, para evitar furos.

“Criamos os SBOTS e implementamos o Smart Sync com o objetivo de fazer as coisas funcionarem mesmo em situações de possível adversidade, efetivamente diminuindo a margem de erros”, diz Ilson Rezende.

Algumas outras características que fazem do ANYMARKET um hub único, já que nenhum outro reúne as características imprescindíveis para uma integração de sucesso, e preferido pelos grandes players, são:

Neutralidade junto aos marketplaces: que garante da confidencialidade das informações com a credibilidade de uma empresa certificada pela ISO 27001 de Segurança da Informação Digital. Único hub do mercado com essa certificação.

Estoque em Tempo Real: considerada a plataforma de atualização de estoque mais rápida do mercado, o ANYMARKET é o ÚNICO hub do mercado que possui atualização do estoque em tempo real, não importando o volume de transações do e-commerce nos marketplaces. O ANYMARKET recebe todas as informações e trabalha nelas simultaneamente, isso graças a sua Arquitetura Assíncrona que estabelece filas diferentes para cada processo de integração e trabalha nelas simultaneamente evitando furos de estoque.

Estabilidade para grandes volumes: arquitetura desenvolvida para processar grandes volumes e garantir operações sem falhas com armazenamento em ambiente Amazon Web Services.

Estratégias de frete nos marketplaces: entre as funcionalidades ímpares do ANYMARKET, está a REGRA DE FRETE POR MARKETPLACE que possibilita maior flexibilidade ao criar regras de frete para cada marketplace, como flexibilizar valores e exceções por produto, categoria, faixa de CEP, transportadora ou outros. Também ligadas a esse tema estão o Mapa de calor para Frete e Vendas, que possibilita localizar onde estão as grandes oportunidades para montar estratégias de vendas “matadoras”.

Buybox: Com essa funcionalidade o lojista trabalha a precificação dos seus produtos e melhora o posicionamento dos seus anúncios nos marketplaces aumentando sua taxa de conversão e principalmente, ajudando-o a ter a melhor margem de lucro em cada venda.

Regra de preço por marca: Cada canal de marketplace possui regras específicas e com a precificação inteligente do ANYMARKET é possível criar regras de preço por produto, marca, categorias e marketplaces, além de programar valores promocionais para datas especiais como Dia do Consumidor, Black Friday, entre outras, com apenas dois cliques.

Dashboard em tempo real: diferente dos BIs que mostram resultados do passado, esse dashboard emite notificações em tempo real com os principais indicadores de sucesso do e-commerce.

SAC centralizado: Com essa funcionalidade, o lojista pode visualizar e responder as mensagens recebidas em diferentes marketplaces diretamente no ANYMARKET. Assim, não precisará verificar cada painel por vez, o que diminui sua agilidade para responder. Com o SAC centralizado, um único responsável é capaz de visualizar e responder mensagens de diversos anúncios proporcionando mais agilidade nas respostas satisfação dos clientes, além de garantir a boa reputação.

“Sempre buscamos funcionalidades que levem diferenciais e uma boa experiência ao lojista. Por exemplo, o Buybox, que possibilita selecionar os produtos que deseja analisar nos marketplaces e verificar se estão ou não no BuyBox, conhecendo quem são os concorrentes que precisa superar e trabalhar para isso”, destaca Ilson Resende. “Assim, pela quarta vez consecutiva, nossa participação no Fórum E-commerce Brasil fomentará a geração de negócios e contribuirá com o ecossistema de e-commerce, facilitando as integrações entre empresas, marketplaces e outras ferramentas”, comenta o executivo.

O Fórum E-Commerce Brasil 2018 é o principal evento de e-commerce da América Latina e o terceiro maior evento de e-commerce do mundo, de acordo com a Forrester Research. Em sua 9ª edição, o Fórum E-Commerce Brasil reúne mais de 13 mil congressistas em 3 dias plenos de atividades técnicas e de negócios, divididos em diversas áreas de conteúdo, com palestrantes nacionais e internacionais, referência no mercado. O E-Commerce Brasil acontece de 14 a 16 de agosto no Transamércia Expo Center, em São Paulo.

Saraiva escolhe ANYMARKET para impulsionar vendas

Tendo a inovação como um dos seus pilares estratégicos, a Saraiva, uma das maiores redes varejistas de educação, cultura e entretenimento, segue apostando no e-commerce para impulsionar as vendas. Além disso, a empresa fechou acordos para vender livros na Americanas.com e no Submarino, ampliando uma estratégia iniciada em setembro de 2017 com a venda de produtos no Mercado Livre.

Para pavimentar a parceria com esses e outros marketplaces, por um ano a empresa realizou uma análise criteriosa na busca de um hub de integração com outros varejistas on line – um fornecedor que aliasse confiabilidade e performance e optou então, em maio de 2017, pela contratação do ANYMARKET, um hub criado e desenvolvido pela DB1 para atender ao universo e-commerce.

O desafio era conseguir cadastrar corretamente o grande volume de produtos a ser gerenciado, visto que o número de anúncios nos marketplaces ultrapassaria a casa de 500 mil, mesmo a empresa tendo optado por trabalhar com alguns segmentos específicos para cada um dos canais.

Visando uma estratégia segura, os produtos foram cadastrados de forma gradual, atingindo 10 mil lançamentos na primeira semana e, na semana seguinte, foram 50 mil anúncios, que vem crescendo constantemente. Para se ter uma ideia, quando comparado outubro de 2017, data da integração com o ANYMARKET, a abril de 2018, o número de pedidos nos marketplaces cresceu mais de 390%, a base de clientes chegou a 250% e o GVM (Gross Merchandise Value) aumentou em mais de 15 vezes.

“Neste cenário, algumas funcionalidades do ANYMARKET contribuíram bastante para esse avanço, já que a plataforma possui o recurso de publicação automática na qual uma vez que o produto é sinalizado para ser anunciado, o ANYMARKET passa a gerar os anúncios de forma automática para os canais definidos”, explica Alexandre Doná, diretor do ANYMARKET. “O tempo de resposta entre as equipes foi um grande diferencial neste cenário, pois o conjunto fez com que fossem alcançados números impressionantes em questão de transações, velocidade, confiabilidade e facilidades de operação. Prova disso, é que na Black Friday 2017, a Saraiva foi umas das empresas com o melhor resultado em vendas segundo dados de um dos marketplaces em que atua, com mais de 65 mil pedidos em um único mês, motivo de grande orgulho para nós!”, finaliza o executivo.

De acordo com Mouraci dos Santos, gerente de e-commerce da Saraiva, “A sinergia entre a Saraiva e a ANYMARKET trouxe rapidez e maior agilidade para a operação. Optamos por um atendimento de Costumer Sucess exclusivo, o que tem nos ajudado a mapear dados e desenvolver relatórios personalizados, facilitando a tomada de decisão”, comenta o executivo. “A plataforma foi desenvolvida para atender as necessidades específicas da nossa operação, com novas funcionalidades, o que trouxe resultados significativos para o sucesso de nossa operação”, complementa.

Considerado referência de mercado, o ANYMARKET atende atualmente mais de 850 clientes, empresas que precisam de uma operação simples, ágil e centralizada para lidar com diversos marketplaces como Amazon, Mercado Livre, Netshoes, Dafiti, Via Varejo, Walmart, B2W, Magazine Luiza, Carrefour, entre outros.

Da Black Friday à Cyber Monday: ANYMARKET integra até 1 pedido por segundo com crescimento de 350%

Nos últimos quatro dias a equipe do ANYMARKET, um marketplace hub criado e desenvolvido pela DB1 para atender ao universo e-commerce, trabalhou non stop para garantir, pelo segundo ano consecutivo, 0% de erros nas integrações de mais de 800 clientes junto aos maiores marketplaces do mercado como como Amazon, Buscapé, Netshoes, Dafiti, Cnova, Walmart, B2W, Carrefour, MercadoLivre e Magazine Luíza entre outros.

O ANYMARKET integrou no pico de vendas 1 pedido por segundo com crescimento de 350% em relação ao ano passado. Os marketplaces com maior GMV (Transações Gross Merchandise Value, que mensura a quantidade de transações em reais) são Mercado Livre e B2W. A evolução de pedidos em relação aos dias normais foi de 1040% em relação a quantidade de pedidos e 1138% de crescimento em relação ao GMV. A trajetória que levou o sucesso do ANYMARKET na Black Friday 2017 pode ser conferido no infográfico para download gratuito disponível em http://marketplace2.anymarket.com.br/2017/11/28/black-friday-cyber-monday-anymarket/

“Nossas equipes trabalharam durante os quatro dias da Black Friday para garantir o sucesso em vendas dos nossos clientes, já que a Black Friday é uma das datas mais aguardadas no e-commerce mundial. As vendas foram bem acima das nossas expectativas e ficamos muito contentes com o resultado e feedback dos clientes durante a madrugada informando a evolução das vendas”, comemora Rodolfo Helmbrecht, Gerente de Pré-Vendas e desenvolvimento de novos negócios da DB1 Global Software.

Já vislumbrando oportunidades para o próximo ano, o ANYMARKET, em parceria com a Resultados Digitais, anunciará em breve um calendário para o mercado de E-commerce sobre como planejar vendas e promoções e se programar com antecedência para as datas com mais oportunidade de vendas em 2018.

Como fazer seu e-commerce faturar mais sem conquistar novos clientes

Por Bruno de OLiveira

Depois de montar uma loja virtual e sentir o gosto das primeiras vendas, é natural que o empreendedor procure diariamente por novos clientes. Afinal, isso é fundamental para que o negócio prospere e continue a crescer, certo?

Certo, mas existe uma outra forma de aumentar o seu faturamento, que nem sempre é tão comentada por aí: vendendo mais para a sua atual base de clientes. Isso mesmo: fazendo uma segunda, terceira ou quarta venda para aquelas pessoas que já compraram com a sua loja virtual antes. Você tem se dedicado a isso?

É muito mais fácil vender para alguém que já é seu cliente do que vender para pessoas que ainda não tiveram nenhuma experiência de compra com a sua marca. Isso porque a sua base de clientes já superou a insegurança e desenvolveu um elemento fundamental quando o assunto são os negócios: confiança.

No entanto, alguns empreendedores ainda focam tanto em conquistar novos clientes que acabam esquecendo-se de vender mais soluções para aqueles consumidores que já foram conquistados. Com isso, perdem a oportunidade de incrementar ainda mais as vendas.

Você acha que só porque alguém já comprou uma roupa ou suplemento, essa pessoa nunca mais precisará de outros produtos do seu segmento? Se acredita nisso, é melhor começar a repensar. O cliente continuará consumindo — e se não for no seu e-commerce, será no da concorrência!

Agora que você provavelmente já está convencido do quanto é importante (e possível) aumentar o seu faturamento sem necessariamente aumentar o volume de clientes, confira 3 dicas efetivas para fazer isso de forma prática e eficiente:

1 – Ofereça cupons de desconto por email

Sabe aquela loja virtual onde o cliente mal finaliza a compra e a empresa logo enche a caixa de entrada dele com cupons de desconto e promoções “imperdíveis”?

A utilização de cupons de desconto, apesar de ser uma estratégia inteligente e que garante benefícios para ambas as partes, precisa ser feita com certa cautela. Resumindo: não saia por aí distribuindo cupons da sua marca sem nenhum critério!

O cliente comprou de você? Então dê a ele alguns dias para conhecer, utilizar e, se for o caso, curtir o seu produto. Faça um cálculo simples: de quanto tempo ele precisa para entender que o meu produto tem qualidade? Dez, vinte, sessenta dias?

Depois disso, envie um cupom de desconto por email aproveitando um gancho relacionado ao seu mercado. Por exemplo:

– “Os suplementos estão acabando? Aqui vai um cupom de R$ 25 para você continuar curtindo os ganhos musculares!” (Ecommerce de Suplementos)

– “A tinta do cartucho já começou a falhar? Aqui está um cupom de R$ 20 para repor o seu estoque de suprimentos!” (Ecommerce de Informática)

Outra dica importante: os cupons de desconto funcionam muito melhor se o valor da oferta for em espécie em vez de em porcentagem. Por isso, em vez de oferecer “30% de desconto”, ofereça “R$ 20 de desconto”.

2 – Aumente o seu ticket médio

Se você tem que ganhar mais dinheiro vendendo para o mesmo número de clientes, outra saída é fazer com que essas pessoas gastem mais a cada compra, aumentando o ticket médio da loja.

Existem várias estratégias para isso, mas hoje vou deixar aqui a que mais gosto: trabalhar com combos de produtos.

Muitos clientes entram na loja e estão acostumados a comprar um produto específico? Monte um kit com esse item e mais algum(s) complemento(s), e faça de tudo para que o usuário leve esse combo para a casa. Incentive essa compra, deixando-a em destaque em sua loja virtual e dando um bom desconto.

Também é importante fazer a seguinte reflexão: “quanto de aumento eu pretendo ter no faturamento?”. Essa resposta dará um caminho para que você calcule exatamente o quanto o seu ticket médio precisa crescer.

3 – Faça remarketing com a base de clientes

Nós já falamos, ali em cima, sobre oferecer cupons de desconto por email. Ao fazer isso, você descobrirá que nem todos os clientes abrem o email, outros abrem mas o ignoram, e outros ainda podem nem saber que o receberam, já que o disparo muitas vezes pode acabar na caixa de spam do consumidor.

Pensando nisso, recomendo uma estratégia que tem gerado resultados positivos para os meus negócios: praticar remarketing com a base atual de clientes da empresa.

Você provavelmente já faz remarketing para pessoas que visitam a sua fanpage ou blog, por exemplo. O que vai mudar a partir de agora não é a prática em si, mas o público: pegue a sua lista de clientes e utilize-a para campanhas de remarketing no Facebook Ads ou Google Adwords.

Nessas ações, ofereça um cupom de desconto como incentivo para a segunda, terceira ou quarta compra. Além disso, não se esqueça de ser mais assertivo, utilizando uma chamada para ação como: “Última oportunidade!”, “Clique e ganhe R$ 20 de desconto!” ou “Clique para conferir uma oferta exclusiva!”.

Todas as estratégias citadas aqui foram testadas em meus negócios. Se aplicadas da maneira correta, essas 3 técnicas podem fazer o seu faturamento crescer até 30% em um curto período de tempo. Por isso, vale muito a pena investir nelas!

Bruno de Oliveira– Empreendedor há 15 anos, é especialista em e-commerce e criador do Ecommerce na Prática.com.

Loja virtual é alternativa para empreender no varejo com baixo investimento

De acordo com levantamento realizado pela Loja Integrada – plataforma para criação de lojas virtuais mais popular do Brasil com mais de 500 mil lojas criadas – cerca de 43% dos lojistas que investiram no comércio eletrônico em 2016 estavam em suas primeiras experiências como empreendedores. O levantamento, realizado com 1.011 lojistas da plataforma entre março e abril deste ano, também aponta que mais da metade dos profissionais começaram seus negócios com investimento de até R$1 mil.

De acordo com Breno Nogueira, especialista de e-commerce da Loja Integrada, os dados mostram que o comércio eletrônico tem sido a porta de entrada de muitos empreendedores para iniciar no varejo. “Os riscos e o investimento necessário para abrir uma loja virtual são mais baixos, já que não é preciso ter um ponto físico, grandes estoques ou funcionários. Por isso, investir no e-commerce é uma boa alternativa para quem deseja abrir seu próprio negócio”, explica o especialista.

Segundo o levantamento, os segmentos mais escolhidos em 2016 foram: moda e acessórios (24,7%), cosméticos e perfumaria (10,4%) e casa e decoração (5,4%).

Perfil do micro e pequeno empreendedor digital no Brasil

Veja, abaixo, os principais dados da 3ª edição da pesquisa que levantou o perfil do micro e pequeno empreendedor digital no Brasil, realizada pela Loja Integrada.

• 50,5% trabalham com e-commerce há 1 ano ou menos

• 45% trabalham sozinhos e 21,6% com o cônjuge. 16,6% dos lojistas possuem um funcionário

• 59,4% dos lojistas trabalham de casa e 26,6% possuem um escritório

• 44,5% dedicam de 1 a 2 horas na loja virtual, 25,4% dedicam meio período do dia e 24,3% se dedicam em período integral

• Os segmentos mais escolhidos em 2016 foram: Moda e Acessórios (24,7%), Cosméticos e Perfumaria (10,4%) seguido por Casa e Decoração (5,4%)

• 59,3% dos empreendedores escolheram a área de atuação da sua loja ao identificar uma oportunidade no mercado e 56% afirmaram que a principal motivação para empreender foi ser dono do próprio negócio

• 56,5% investiram inicialmente até R$ 1 mil e 19,7% dos lojistas investiram até R$ 5 mil reais

• 44% dos empreendedores buscaram informações na internet antes de abrir sua loja. 33% não se especializaram antes de abrir a loja

• Para aprimorar seu negócio, 69,2% dos lojistas buscam informações no Youtube

• Estratégia para divulgação de produtos: Facebook (90,5%), WhatsApp (59,3%) e Instagram (62,6%)

• 53,9% afirmam que a divulgação (marketing) é a maior dificuldade na hora de empreender na internet e 43,2% afirmam que a concorrência com grandes redes é a maior dificuldade

iPhone 7 fica até 20% mais barato no e-commerce

Os consumidores que conseguiram controlar a ansiedade e esperam o melhor momento para comprar o iPhone 7, já podem encontrar o smartphone da Apple até 20% mais barato nas lojas online, segundo levantamento realizado pelo Cuponomia, portal que reúne ofertas e cupons de descontos para compras online.

Lançado em novembro de 2016 por R$4.299,00, o iPhone 7 de 256GB pode ser encontrado, atualmente, por R$ 3.430,00 no e-commerce. Enquanto o modelo de 32GB, antes com o preço de R$3.499,00, pode comprado por R$ 2.750,00. Já o iPhone 7 Plus 32GB, divulgado no valor de R$4.099,00 pode ser adquirido partir de R$ 3.249,00 nas lojas virtuais.

Diferença de preços nas lojas físicas

De acordo com a pesquisa feita pelo site, o preço do iPhone 7 nas lojas físicas pode ficar até 18% maior em comparação ao e-commerce. O modelo de 32GB, disponível no site da Magazine Luiza por R$2.879,91, não sai por menos de R$3.399,00, no varejo físico. Na Saraiva online, o celular está à venda por R$3.431,12, enquanto na loja física custa R$3.899,00.

Segundo o Cuponomia, a diferença nos valores acontece devido à alta competitividade do e-commerce, que favorece as promoções para pagamentos à vista e o uso de cupons de desconto oferecidos pelas lojas online para abater o preço dos produtos em campanhas mais segmentadas.

A pesquisa analisou os preços de aparelhos iPhone 7, modelos 32GB, 128GB e 256GB, em 15 lojas do e-commerce e lojas físicas como Magazine Luiza, Casas Bahia, Saraiva e Lojas Americanas, no período de 16 a 18 de agosto de 2017. Os preços e disponibilidade dos produtos anunciados pelas lojas estão sujeitos a alteração sem aviso prévio.

Especialista indica opções para varejista driblar fim do e-Sedex

No último mês, o fim do e-Sedex, serviço oferecido pelos Correios, causou preocupação entre os varejistas, principalmente os de e-commerce. Muitos alegaram que, além da mudança abrupta no prazo de entrega, o frete subiria mais de 30%.

Recentemente, Lemuel Silva, chefe do departamento de Soluções Logísticas dos Correios, disse que há planejamento para novas reformulações no Sedex e no PAC. Além disso, existe a possibilidade da reativação do serviço, pois os Correios consideram o e-Sedex “uma marca forte”, segundo nota divulgada pela própria empresa em julho.

Para o especialista Bruno de Oliveira, criador do Ecommerce na Prática.com, o caso do e-Sedex expõe uma profunda falta de informação por parte dos comerciantes virtuais brasileiros, pois a mudança não irá impactar os negócios online tanto quanto se imagina.

“Na verdade, creio que vai ficar até melhor sem o e-Sedex. Nos últimos anos, o serviço já não tinha a mesma qualidade do no início”, analisa ele.

O especialista ensina dicas para contornar a situação de forma simples:

Use as novas modalidades dos Correios

O e-Sedex era uma modalidade apenas para quem tinha contrato com os Correios, com o faturamento mínimo de R$ 1.000. “Esse valor deixava, os empresários preocupados, mas tinha uma tarifa diferenciada, de 20% a 25%. Quem faturava R$ 800, por exemplo, ‘desperdiçava’ R$ 200 todos os meses”, explica Oliveira.

Segundo ele, os Correios se prepararam para a mudança. “Existe uma nova modalidade de Sedex para e-commerce, com três modalidades. Quanto maior a tabela, menos você paga”, afirma.

Para se ter uma ideia dos valores, um Sedex local de até 300 g custa aproximadamente R$ 14,70. O extinto e-Sedex cobraria algo em torno de R$ 11. “No ‘e-commerce 1’, modelo que vai enquadrar a maioria dos e-commerces, o mesmo pacote sai por menos de R$ 7,40. Procure seu gerente dos Correios e pergunte sobre o código 0416-2″, aconselha.

Informe-se sobre outros serviços de entrega

Apesar de os Correios terem o know how da logística no Brasil, vários problemas podem acontecer desde o momento em que o produto é enviado pelo varejista até chegar ao consumidor final. Existem casos de furtos que, apesar do seguro, acabam atrasando a entrega do produto.

“Um dos grandes medos em relação ao prazo de entrega são as greves dos Correios. Mesmo que o Sedex seja vantajoso financeiramente, é importante conhecer outras empresas de entrega. Existem alguns nomes de peso na concorrência, como Total Express e FedEx”, cita Oliveira.

Segundo ele, para quem vende produtos pesados (acima de 30 kg, por exemplo), as transportadoras são ótimas opções, por não terem restrição de peso. “Já pacotes pequenos, entregues na mesma cidade, podem ser levados por motoboys”, sugere o especialista.

Conhecimento (realmente) é poder

O anúncio dos Correios de que o e-Sedex seria extinto foi feito originalmente em 2016, e o seu fim estava agendado para o dia 2 de janeiro deste ano. A data foi prorrogada por liminar. Ou seja, o término do serviço era de conhecimento público havia mais de um ano. Os varejistas tiveram tempo suficiente para se informar e planejar novas estratégias.

“A mudança já era anunciada e muita gente nem usava mais o e-Sedex, era um serviço para uma minoria de contratos. Havia muitas exigências e a abrangência era pequena. Conheci vários lojistas que não conseguiam incluir o e-Sedex no contrato”, avalia o especialista.

As empresas menores sentem mais o impacto dessas mudanças por serem dependentes desse serviço para a logística, mas, segundo Oliveira, não há motivo para “pânico”. “Não é o fim para o pequeno empreendedor, e sim para as pessoas do e-commerce que estão mal informadas”, conclui.

7 dicas para faturar na internet sem ter uma loja virtual

É possível vender online sem ter loja virtual? Optar por comercializar seus produtos e serviços em marketplaces é uma alternativa segura e econômica para estar na internet sem ter um e-commerce próprio

Especialista em marketplaces dá dicas de como investir no mundo online por meio de “shoppings virtuais”

O varejo teve o melhor abril desde 2006, de acordo com levantamento recente do IBGE – o resultado ficou positivo em 1%. A leve recuperação se deu, principalmente, pelos saques do FGTS, analisa o instituto. Mesmo assim, os números do varejo físico ainda preocupam os comerciantes que buscam alternativas para alavancar as vendas e conseguir mais clientes.

Uma boa opção para esses lojistas, tem sido investir no comércio eletrônico, já que os números sobem a cada ano – a estimativa é que o setor cresça 15% em 2017. Porém, ter uma loja física e partir para a criação e administração de uma loja virtual pode não ser uma tarefa fácil. Segundo Frederico Flores, especialista em marketplaces, uma alternativa segura e com baixo investimento inicial é optar pelas vendas em shoppings virtuais.

“Começar a vender em marketplaces pode ser a solução para quem quer investir no comércio eletrônico sem ter um site próprio, mas é preciso ter dedicação e estratégias para fazer a lojadecolar. Além disso, algumas ferramentas acessíveis podem ajudar no início de negócio”, explica.

Veja 7 dicas para faturar no comércio eletrônico sem ter uma loja virtual:

1. Entenda o que é um marketplace
Os marketplaces são plataformas de e-commerce colaborativas, que funcionam como um shopping virtual conectando lojistas e prestadores de serviços a compradores.

2. Escolha o marketplace correto
No Brasil já existem diversas plataformas de marketplaces – alguns grandes varejistas como o Mercado Livre, Lojas Americanas e Submarino, por exemplo. Também existem marketplaces de nicho, que são focados em determinados públicos e vendem apenas alguns segmentos de produtos. Cada um tem suas regras e particularidades. Estude e análise as que mais fazem sentido para o seu negócio.

3. Conheça as taxas e comissões
Alguns marketplaces cobram taxas de 5 a 25% por cada venda efetuada ou até mensalidades fixas para disponibilizar os serviços nos sites. Antes de começar a vender, procure saber qual é a porcentagem da plataforma escolhida e as variações da comissão com base na condição comercial. “Taxas muito baixas podem significar menor liquidez para receber o dinheiro. Taxas mais altas, em contrapartida, podem oferecer a oportunidade de o seu cliente parcelar sem juros e você receber à vista, por exemplo”, explica o Frederico Flores.

4. Não esqueça sua loja no marketplace
Uma vez cadastrado em um marketplace, o lojista precisa estar preparado para atender mais clientes. Ter uma loja em um shopping virtual permite que milhares de pessoas encontrem seus serviços pela internet, porém, mesmo com o aumento da procura é essencial que a loja cumpra prazos de entrega e preste um bom atendimento ao cliente.

5. Automatize seu negócio
Administrar todas as etapas de vendas em marketplaces exigia tempo e um investimento que nem todos os lojistas possuíam. Porém, existem soluções acessíveis para ajudar no gerenciamento dessas lojas. A Becommerce – maior plataforma para gestão de vendas em marketplaces (www.becommerce.com.br) -, por exemplo, automatiza todas as etapas das vendas, desde o atendimento ao cliente até a entrega.

Uma das ferramentas disponíveis permite responder todas as dúvidas dos clientes 24 horas por dia – sem intervenção humana. Além disso, o sistema monitora o preço da concorrência e diminui o valor dos seus produtos automaticamente, caso outra loja faça alguma alteração.

6. Profissionalize seu contato com o cliente
A concorrência dentro dos marketplaces é acirrada e mais do nunca é necessário passar credibilidade para os clientes. Com ajuda de plataformas de gestão tudo pode ser feito de forma automática e profissional, diminuindo o tempo em que os processos acontecem e que o seu cliente é avisado.

7. Deixe sua loja personalizada
Assim como nas lojas virtuais, os marketplaces também permitem que o negócio tenha “sua cara”. Pense em templates de anúncios que explorem a identidade visual do seu negócio e, ao mesmo tempo, informe passe credibilidade para seu cliente. Possui prazo de entrega rápido? Informe isso de forma divertida, dizendo, por exemplo, que sua entrega é “à jato”. Atende final de semana? Mostre uma foto de sua equipe e conte que aquele pessoal está pronto para atender o cliente de domingo a domingo.