Estudantes vão representar o Paraná na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia da USP

Felipe Angelo Denis, Augusto Dezoti Doreto e Alberto Nakakogue Neto

Alberto Nakakogue Neto, Augusto Dezoti Doreto e Felipe Angelo Denis, estudantes do Ensino Médio do Colégio Positivo – Jardim Ambiental, de Curitiba, foram selecionados para participar da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que acontece de 19 a 21 de março, na Universidade de São Paulo (USP). Com o objetivo de incentivar o jovem cientista, o evento acontece há 16 anos e é considerado o maior do Brasil para alunos não universitários no mundo científico.

O projeto dos alunos paranaenses trata de um tema relevante e atual: o interesse do jovem pela política. Pensando na distância que separa os jovens da política, os alunos criaram o projeto Mobilizar para Mudar: estudo sobre a relação da juventude curitibana com a política nacional. O estudo foi baseado numa pesquisa do Instituto Data Popular, de 2014, que revelou que sete em cada 10 jovens acreditam que seu voto tem poder de mudar os rumos do país, e 81% consideram a política um assunto importante, mas somente 32% afirmaram entender sobre o tema.

Com orientação da professora Irinéia Inês Scota, os três fizeram uma pesquisa com outros estudantes, entrevista com mestres em educação e sociólogos e análise do que já foi publicado sobre o assunto. “Depois que eles coletaram os dados, foi necessário buscar junto à literatura acadêmica e a artigos científicos elementos que pudessem sustentar ou refutar esses dados”, explica a orientadora. O resultado da pesquisa confirmou que os jovens têm perspectivas de mudança, mas não demonstram interesse em fazer parte dos debates políticos e que facilmente confundem política com politização. “Foi identificado que esse grupo da sociedade recebe muitas informações, mas não tem conhecimento sobre o assunto para ser capaz de debater ou dar o tratamento adequado a essas informações”, revela a professora.

Outro fator exposto pelo trabalho científico foi que a maioria das pessoas entrevistadas considera que o momento ideal para aprender política é no Ensino Médio. Mas os jovens investigadores contestam: “os estudantes que iniciam seus conhecimentos sobre a estrutura política do país somente nessa fase, já chegam contaminados com muitas informações”. Para atingir os objetivos do projeto e oferecer períodos regulares de leituras, debates e reflexões acerca do funcionamento político, a equipe desenvolveu métodos a serem aplicados desde os anos finais do Ensino Fundamental. “Oficinas mediadas por professores de História, Sociologia e Filosofia com o intuito de informar, apresentar problemas e incentivar os alunos a buscarem argumentos para defender ou criticar questões comuns de governos e uma página virtual com conhecimentos gerais sobre política e sistemas de governança foram algumas das propostas que encerram o projeto”, explica a orientadora.

A pesquisa que será apresentada na Febrace foi vencedora da Mostra de Soluções 2018 do Colégio Positivo. “É gratificante ser reconhecido desta forma e representar nosso colégio. A expectativa é grande pela apresentação e pela experiência de estar em uma feira reconhecida internacionalmente, tanto para mim quanto para os meus colegas”, conta Alberto Nakakogue.

A Febrace

Os projetos serão apresentados por estudantes matriculados nos 8º e 9º anos do Ensino Fundamental e alunos do Ensino Médio e Técnico de escolas públicas e particulares de todo o país. Cada grupo pode ser composto por três alunos e um adulto orientador, além de se encaixar em uma das categorias avaliadas. A Febrace é aberta ao público das 14h às 19h, nos espaços da Inova USP, em São Paulo. A entrada é gratuita. Mais informações: www.febrace.org.br.

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.