Maringá cria Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação

Foi sancionada ontem, 11 de abril, uma lei de autoria do Poder Executivo que oficializa a criação do Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI). A lei estabelece em seu artigo 1º que o objetivo do Conselho é fortalecer e ampliar a base técnico-científica do município, que é constituída por entidades de ensino, pesquisa e prestação de serviços técnicos especializados e por unidades de produção de bens e serviços de elevado conteúdo tecnológico.

O setor de Tecnologia da Informação cresce em ritmo acelerado em Maringá e região. As empresas geram empregos e recursos para a cidade por meio do recolhimento de impostos. Iniciativas como a da Software by Maringá reúne empresas do setor para melhorar a estrutura por meio de processos gerenciais e de desenvolvimento de produtos com qualidade. “O objetivo é tornar Maringá conhecida pela excelência em software e qualidade de vida. Também é objetivo da SbM despertar o potencial inovador das empresas para gerar cada dia mais prosperidade”, explica a presidente da entidade, Rafaela Campos.

De acordo com prefeito de Maringá, Ulisses Maia, “a criação deste Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação, aliada à viabilização do parque de TI, poderá resultar no surgimento de uma espécie de ′Vale do Silício′ regional”, enfatizou o prefeito. Recentemente o prefeito assinou um decreto destinando uma área urbana de aproximadamente 120 mil metros quadrados para implantação do Parque de Tecnologia da Informação e Comunicação no município.

Para o diretor de Inovação Tecnológica da Secretaria Municipal de Inovação e Desenvolvimento Econômico, Franz Wagner Dal Belo, a finalidade maior do Conselho será a de colaborar com os demais órgãos de governança na promoção do desenvolvimento econômico e social do município. “O conselho fará parte do âmbito da Lei Municipal de Inovação, que foi aprovada no ano passado. Sua atuação será semelhante à do Codem, entretanto, focada na sugestão de diretrizes e aplicação de recursos que contemplem o desenvolvimento de práticas que proporcionem avanços nas áreas de inovação e tecnologia”, disse.

“O sancionamento da lei de criação do Conselho municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação é um grande passo na conquista que o setor de Tecnologia vem buscando já há 10 anos, época em que surgiu o movimento APL. Essa lei vem concretizar uma etapa de um planejamento do setor que é levar Maringá a ser um polo de referência em desenvolvimento de tecnologia de software”, explica Luis Marcos M. Campos, coordenador da APL (Arranjos Produtivos Locais) de Software de Maringá e região. E complementa “dessa forma a sociedade civil organizada ganha uma voz e espaço no planejamento público na área de tecnologia, tendo o poder público como apoiador de ações de desenvolvimento tecnológico. Isso também vem se somar ao já movimento do CODEM que terá o conselho como agente agregador”.

Marcado , , , , , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.