Biopark completa primeiro ano e avança no oeste do Paraná

O Biopark, primeiro Parque Científico e Tecnológico de Biociências do Paraná, comemorou um ano desde que foi lançado, em setembro de 2016. Com investimento inicial de R$ 100 milhões, o empreendimento localizado na região oeste do Paraná, em Toledo, tem área total de 4 milhões de metros quadrados e visa gerar mais de 30 mil postos de trabalho durante os próximos anos.

Planejado para transformar a região, contará com espaços destinados à centros de pesquisa, desenvolvimento e inovação, instituições de ensino, além de empresas nacionais e internacionais, conforme explica o idealizador e presidente, Luiz Donaduzzi. “Estamos em um momento de negociação com empresas brasileiras e estrangeiras que vão gerar empregos e trazer novas tecnologias. Em nossa avaliação pesa o potencial de desenvolvimento que essas empresas podem trazer para Toledo e região, e uma de nossas contrapartidas é o conhecimento adquirido em mais de 24 anos à frente da Prati-Donaduzzi”.

Uma das características principais do Parque é a atração de instituições de ensino. Em 2018, será inaugurada a Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), câmpus Toledo, primeira instalação do Biopark. “Nossa doação para a construção do câmpus visa também incentivar projetos para a melhoria da saúde da população. Além disso, outras instituições de ensino estão vindo, conseguimos avançar em conversas para a implantação de um laboratório em parceria com a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) na área de manufatura aditiva e impressão 3D, e de um curso na área de Nutracêuticos com uma universidade canadense de Quebec”, explica.

Para os idealizadores do projeto, Luiz e Carmen Donaduzzi, este primeiro ano foi marcado por avanços no desenvolvimento de um ecossistema que visa atrair ideias também em áreas como sustentabilidade, tecnologia da informação (TI) e comunicações – recentemente foi assinado um termo de parceria com a Prefeitura de Toledo para incentivo ao Núcleo das empresas de TI do município. Em 2018, as ações devem avançar para a construção de um centro de pesquisa e desenvolvimento do próprio Biopark que poderá abrigar projetos temporários de empresas, bem como prestar serviços na área.

Para o futuro, o Parque contemplará espaços de convívio, áreas verdes e uma ‘cidade do idoso’. “Serão as pessoas que movimentarão o Biopark, tudo é factível com pessoas dispostas a fazer a diferença e inovar. Todo o sistema será construído para proporcionar qualidade de vida, afinal, trabalhamos para a satisfação pessoal, precisamos estudar constantemente pois tudo demanda conhecimento e, por fim, precisamos nos divertir pois a vida é curta, essa é a nossa essência”, encerra o fundador.

Marcado , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.