Empresa de Londrina dribla falta de mão de obra do setor com criatividade

Conhecida no passado como a cidade do café, Londrina, no interior do Paraná se destaca nos dias de hoje como um importante polo de tecnologia da região sul do país. Grandes empresas do setor e também uma gama de startups concentram suas atividades na cidade. De acordo com o Sebrae Londrina, existem atualmente cerca de 1500 empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) instaladas na cidade, que concentra também a maior parte das startups do Estado, são 244, ou cerca de 30% do total do Paraná (792).

Com o mercado aquecido na área, uma das dificuldades enfrentadas pelas empresas do segmento é encontrar mão de obra qualificada e, mais que isso, desenvolver programas para reter talentos, como destaca a executiva de gestão de pessoas da Advise Brasil, Bruna Canali. “O melhor a ser feito é reter os talentos, pois com a alta procura por profissionais de tecnologia, sabemos que uma perda pode levar um bom tempo para ser recuperada. Já tivemos cargo vago de analista desenvolvedor aqui na Advise por até 60 dias e isso impacta muito nas atividades do setor, gerando atraso em entregas importantes”, revela.

A empresa que desenvolve software para advogados e opera visit this website suas atividades há 15 anos em Londrina estruturou uma série de ações para evitar a evasão dos funcionários. “Nossa preocupação é constante com o bem-estar dos colaboradores. As ações passam tanto pelos cuidados com a saúde deles na empresa e, para isso, disponibilizamos frutas durante o expediente, intervalos no decorrer da jornada de trabalho, sala cartier love bangle de descanso e ginástica laboral, como também com a vida fake cartier bracelets
social e fora do trabalho. Neste caso, desenvolvemos programas como home office de 5 meses após a licença-maternidade, folga no dia do aniversário, momentos de gincana e confraternização, comemoração de datas importantes como dia das mães, dia do homem, Páscoa, Natal, entre outras ”, destaca.

Com as ações, a rotatividade na empresa diminuiu consideravelmente. No último ano, a média do tempo de serviço de um funcionário foi de 3 anos, enquanto que em 2015 a permanência na empresa era de 2 anos e 5 meses, o que comprova que os investimentos no colaborador são essenciais para mantê-lo feliz e satisfeito no trabalho. “Os ganhos com a retenção são imensuráveis. Uma equipe fortalecida e que conhece bem o funcionamento da empresa produz mais e consequentemente impacta positivamente no crescimento da instituição como um todo. Enquanto muitas empresas fecharam as portas em 2016, nosso faturamento cresceu 16%”, finaliza.

Marcado , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.