LIDE Paraná realiza seminário sobre a reagonização do mercado infraestrutura no Brasil

O jornalista e economista Carlos Alberto Sardenberg e o presidente do Lide Paraná, Fabrício de Macedo

O mercado de infraestrutura no Brasil e a sua reorganização foi o tema do Seminário realizado na última quarta-feira (24) pelo LIDE Paraná no Castelo do Batel, em Curitiba. O evento recebeu o jornalista e economista Carlos Alberto Sardenberg, que apresentou as perspectivas econômicas e políticas do Brasil – traçando um paralelo entre os últimos governos federais e as medidas que culminaram no período de instabilidade econômica atual.

Além de Sardenberg, o seminário do LIDE Paraná contou com a presença do governador, Beto Richa; do presidente do LIDE Infraestrutura, Roberto Giannetti da Fonseca; do presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins; do sócio-fundador da VG&P Advogados, Fernando Vernalha Guimarães; do presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Antonio Espolador; e do diretor-presidente da Sanepar, Mounir Chaowiche.

Segundo o presidente do LIDE Infraestrutura, Roberto Giannetti da Fonseca, o transtorno vivido na economia brasileira no período de 2014 e 2015 gerou um clima de desconfiança entre consumidores e investidores. “Essa questão é subjetiva, mas é muito séria. Pois quando o consumidor não compra e o investidor não investe a economia desaba. Essa recessão tem uma característica muito perigosa, pois nós entramos em uma espiral recessiva: o consumidor para de comprar – por medo de desemprego; então a produção cai – pois não há demanda; quando a produção cai, é gerado o desemprego; o desemprego faz com que caia a renda; e quando cai a renda, volta-se ao início da queda do consumo e assim por diante”, explica Giannetti da Fonseca.

Para o economista, atualmente, há duas alternativas de retomar o crescimento econômico do Brasil. “Uma é a exportação, que por meio da demanda externa geraria renda. E a outra, maneira de fazer o País crescer, que é muito mais impactante na economia, é o investimento em infraestrutura”. Giannetti reforçou ainda que uma das oportunidades que justificam o investimento em infraestrutura é o déficit do País em infraestrutura, que se acumula durante anos com falta de regulação, de atração e de condições para que os investidores se sintam seguros em investir. “Portanto, o Brasil carece de poderosos investimentos nesse setor”, diz ele.

A importância do investimento em infraestrutura também foi ressaltado pelo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins. “Para melhorar a eficiência da economia, obrigatoriamente passa pela infraestrutura. Para manter a infraestrutura existente, precisaríamos investir 3% do PIB anualmente – nós temos investido 1,8%. Se o Brasil quiser crescer na faixa dos 4% ao ano, teria que investir 5% do PIB. Se nós compararmos o 5% com o 1,8% que temos investido, isso dá 3,2% – que representa 2 milhões de empregos a mais que ajudariam e muito o Brasil a sair dessa crise atual, simplesmente investindo em infraestrutura”.

O advogado Fernando Vernalha Guimarães fez um mapeamento crítico de alguns problemas que estão impedindo o desenvolvimento de programas de infraestrutura, em relação à concessões e à Parcerias Público-Privadas (PPPs). “Eu vejo, atualmente, três problemas marcantes no segmento de concessões e PPPs: capacitação técnica das administrações públicas; segurança jurídica; e financiamento de projetos. Temos que superar esses problemas para poder desenvolver programas nesses segmentos”. E complementa: “não acho que as PPPs e as concessões resolverão todos os nossos problemas, mas sem dúvida serão uma ferramenta muito importante para a superação das falhas de logística e para o favorecimento do crescimento do País”.

O jornalista e economista Carlos Alberto Sardenberg traçou um panorama, durante o evento, das medidas e fatos que culminaram na atual crise econômica brasileira e apresentou as perspectivas do empresário industrial e do consumidor, em relação à economia, a partir desse momento. “Em ambos os índices – de confiança do empresário industrial e do consumidor – há a visão que o momento atual está ruim, mas com a expectativa positiva que isso vai passar e vai melhorar nos próximos seis meses”, avalia Sardenberg.

Segundo o jornalista, a saída para a atual crise é reestabelecer a lei de responsabilidade fiscal. “É fazer o que o governo já está fazendo, reforçando as rédeas que já existem, por isso que as expectativas melhoraram. E, ainda, o principal sinal a ser dado são as regras que vão determinar os ajustes duradouros das contas públicas. Se isso for feito o País volta a andar. Agora, se isso não for feito haverá uma quebra de confiança que ninguém vai querer investir aqui, será muito mais fácil investir em países como a Rússia, o Peru, a China ou o México, por exemplo”.

Marcado , , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.